Começou nesta segunda-feira na sede da CBF, no Rio de Janeiro, a 2ª Semana de Evolução do Futebol. O técnico da seleção brasileira, Tite, foi o responsável por abrir a série de palestras, falou de seus ídolos (Rubens Minelli, Carlos Alberto Silva, Zagallo, Telê Santana e Ênio de Andrade) e defendeu a sua classe.

"Há uma supervalorização dos técnicos no Brasil. Não me iludo de estar classificado para Copa do Mundo. Não é o técnico o único responsável por isso. É toda uma estrutura onde cada um tem suas autonomias e méritos pela conquista. Não quero que os técnicos fiquem em média três meses no cargo. A gente quer tempo para trabalhar, não quer mídia", disse.

No entanto, um personagem em especial era bastante aguardado nesta manhã: Marcelo Bielsa.

O treinador argentino já passou por Newell's Old Boys, seleções argentina e chilena, Athletic Bilbao e Olympique de Marselha. Na próxima temporada, vai assumir o Lille.

A influência sobre Josep Guardiola, porém, é um de seus legados mais notáveis, e "El Loco" fez a palestra bastante preparado - e estourando bastante o tempo.

Bielsa usou como base de sua explanação exatamente a seleção brasileira de Tite.

Com a equipe canarinho na tela, mostrou que o futebol possui "apenas" dez esquemas táticos possíveis. Em sua escalação do Brasil, tirou Miranda e colocou Thiago Silva entre os titulares, elogiou Daniel Alves e comparou Filipe Luis e Marcelo.

Para ele, na lateral esquerda, o jogador do Atlético de Madri defende "três vezes melhor" do que o camisa 12 do Real Madrid, mas mesmo assim escala o último.

"Marcelo é horrível defendendo, mas ataca de forma impressionante", disse Bielsa. "E é por isso que você o escala", falou o argentino para Tite.