Mauro Cezar Pereira

Mauro Cezar Pereira

Via WhatsApp, jogadores do Grêmio decifram rivais e estudam Lanús para a decisão

Mauro Cezar Pereira, blogueiro do ESPN.com.br

O time do Grêmio estuda. E estuda muito seus adversários. Não poderia ser diferente na final da Copa Libertadores. Pelo WhatsApp, os jogadores receberam amplo material, incluindo vídeos de oito a 10 minutos de cada um dos 30 jogadores inscritos pelo Lanús. A ideia do grupo de atletas reunido a partir do aplicativo de mensagens surgiu no passado, ainda com Roger Machado como treinador. Foram comprados pen drives para cada um receber o conteúdo, até que o volante Edinho perguntou: "E onde vou usar isso?".

Perceberam que muitos jogadores não têm computador, apenas smartphones. "Meu celular faz tudo, pra que computador?", questionou o atleta, para surpresa geral. Desde então eles recebem vídeos, relatórios, scouts, dados físicos, tudo via WhatsApp. É um protocolo padrão, todos têm o material antes de enfrentar qualquer rival, seja o Aimoré pelo Gaúchão ou na decisão internacional desta quarta-feira. A única diferença é que em jogos de mata-mata são feitos os mapas de pênaltis, tanto dos batedores quanto dos goleiros.


Reprodução
Marcelo Grohe em ação na Libertadores: mapas de pênaltis de todos os batedores rivais
Marcelo Grohe em ação na Libertadores: mapas de pênaltis de todos os batedores rivais

Diante da equipe argentina, cada um dos possíveis cobradores de penalidades máximas saberá onde o arqueiro Esteban Andrada saltou nas últimas contra ele. Da mesma forma Marcelo Grohe conhecerá os cantos escolhidos pelos batedores do Granate. Praticamente todos os times do Brasil, pelo menos os de séries A e B e alguns da C; têm departamentos de análise de desempenho. O que varia, devido à capacidade de investimento, é a visão que se tem sobre o setor, sua importância, quantidade de pessoas, os hardwares e softwares, parcerias, etc.

O Grêmio foi o primeiro a constituir um núcleo específico, em 2006, com o Mano Menezes e Rafael Vieira, hoje ao lado do treinador na coordenação da mesma área no Cruzeiro. Os tricolores até "exportam" analistas, como Tiago Duarte, hoje no Sport; Lucas Oliveira, Atlético-PR; Bebeto Sauthier que esteve na seleção olímpica; e Roberto Ribas, promovido a auxiliar de Roger Machado. Hoje Eduardo Cecconi coordena o setor. Jornalista, está no Grêmio há quase seis anos e com ele atuam mais dois analistas, Antônio Cruz e Rafael Pinto. 

O vídeo abaixo mostra a análise feita pelo CDD (Central de Dados Digitais), nome com o qual o Rafael Vieira batizou o setor em 2006. O trabalho se baseou no último jogo do Barcelona de Guayaquil, contra o El Nacional, antes da partida de ida das semifinais da Libertadores, contra o time gaúcho. Mostra posicionamento da equipe de Guayaquil em bola parada, organização ofensiva e defensiva. 

Trabalho do Núcleo de Análise de Desempenho sobre o Barcelona-EQU feito antes da semifinal

A atual direção revitalizou o setor, com computadores, iPads e câmeras novos, assim como softwares de edição, parceira de scouts, entre outros recursos. O núcleo segue conceitos difundidos mundialmente pela Universidade do Porto, ou seja, os padrões de análise baseiam-se na teoria e na prática que o professor Julio Garganta e seus inúmeros discípulos desenvolveram. O que muda, de comissão técnica para comissão técnica, é a adaptação da linguagem. 

Quando o objeto do estudo é o Grêmio, e não os adversários, são enfatizados conceitos do treinador, seguem o modelo de jogo. A equipe trabalha com observação, interpretação, contextualização e transmissão de informação e conhecimento sobre  a equipe e seus adversários, sem juízo de valor. Observar nos mínimos detalhes as características de cada oponente é missão básica para qualquer time de futebol que o pratique em alto nível. Para isso, é importante que os atletas compreendam a importância de tal estudo. E o Grêmio tem essa sorte. 

Inscreva-se no Youtube

Siga no Instagram: @maurocezar000