Linha Ofensiva

Linha Ofensiva

Ela já jogou contra homens e foi a primeira mulher a treinar um time da NFL. Conheça a história de amor de Jen Welter com o futebol americano

[]
Jen Welter treinando o time Texas Revolution, da liga profissional de Indoor Football
Jen Welter treinando o time Texas Revolution, da liga profissional de Indoor Football

Uma forte corrente elétrica invadiu seus pés assim que que eles tocaram a arquibancada vibrante. O corpo arrepiado, os olhos cerrados, tentando se acostumar com as luzes. Quantas luzes! É sexta-feira. A pequena Jennifer havia esperado a semana toda por este momento. O clima agitado da geralmente pacata cidade de Vero Beach, na Flórida, já anunciava: era sexta-feira de futebol americano!

Assim começou a linda história de Jen Welter com o futebol americano. Cresceu com o esporte, como se não existisse outra forma possível de viver. O Vero Beach Football Indians, time da única escola local, era a grande sensação. Acompanhá-los era um estilo de vida.

“Desde muito pequena, eu sou apaixonada. Eu ia assistir aos jogos e era o maior evento, a cidade parava. O estádio parecia tão grande! Os caras eram como super-heróis para mim. Eu sempre quis jogar, mesmo não tendo oportunidade nenhuma na época”, contou Jen Welter ao Linha Ofensiva.

A tal oportunidade ainda demoraria para se apresentar, mas sua própria vida se desenvolveu como um jogo de futebol americano: com muitos tackles, diferentes rotas e cortes de direção.

A INFÂNCIA E OS ESPORTES

Quando criança, jogava tênis. Foi federada na Flórida e viajava muito para competir. Chegou a pensar que seu futuro estaria nas quadras, com uma raquete na mão, até que um treinador disse a ela que lhe faltava altura e força para que pudesse ser profissional.

Passou, então, a praticar esportes coletivos. Jogou futebol durante o high school e foi capitã do time por dois anos seguidos. Sonhava com uma bolsa para jogar na Universidade de Stanford, mas nunca recebeu a oferta. Então, trocou a bola redonda pela sua primeira oval, a de rugby, esporte que jogou durante toda a faculdade. Mas faltava alguma coisa, talvez uma costura na bola que carregava em suas mãos.

FINALMENTE, DENTRO DE CAMPO

Depois que se formou, Jen finalmente conheceu a Women’s Football Alliance, liga feminina de futebol americano fullpad (jogo com contato) dos Estados Unidos. Agora, ela vestia uma jersey com o nome WELTER estampado nas costas. Desde então, foram 14 anos jogando. Ganhou muitos títulos, prêmios e uma nova e enorme família. Passou a colecionar recordes de pioneirismo.

No dia 15 de fevereiro de 2014, se tornou a primeira running back mulher a jogar em uma liga profissional masculina, pelo Texas Revolution. Mas o início dessa nova etapa não foi nada fácil. Welter precisou, mais uma vez, provar que era capaz.

“Tinham muitos desafios, sabe? A parte física era um desafio todos os dias. Eu dei uma entrevista para o Michael Strahan esses dias e foi muito engraçado porque ele falava: ‘Jen, você jogou contra homens, seria como eu te dar tackles todos os dias. Como você fazia isso? ’. E eu não tinha outra resposta além de ‘eu reajo bem’”, nos contou Jen Welter.

Como um cheque de $ 12 mudou a vida de Jen Welter, primeira mulher a treinar um time da NFL

Mas o físico, apesar de ser um grande desafio, não foi o mais complicado.

“O mais difícil foi me tornar parte do time. Demonstrar para os caras que eu estava ali pelos motivos certos. E não só que eu pertencia ao time, mas que a gente poderia se dar bem. Para mim, esse foi o maior desafio e também o que fez tudo ser tão especial”, diz.

Depois de jogar o ano todo, Jen foi nomeada treinadora de linebackers e speacial teams da equipe, se tornando a primeira mulher a treinar um time masculino em uma liga profissional.

A ENTRADA NA NFL

O jogo mudou sua vida. Ou melhor, ela mudou toda a sua vida para se dedicar ao jogo. Conseguiu conciliar os treinamentos e campeonatos com as especializações: mestrado em psicologia do esporte e doutorado em psicologia. A agora Dra. Jen Welter alcançaria, então, um posto que jamais sequer sonhou.

Depois de uma conversa do técnico principal do Revolution com o técnico da NFL Bruce Arians, do Arizona Cardinals, Welter foi chamada para integrar a equipe de treinadores-assistentes da pré-temporada de 2015, sendo a responsável pelos inside linebackers. A assinatura do contrato a tornou a primeira mulher a treinar um time da NFL na história da liga.

Ao contrário do que se possa imaginar, ser mulher não foi um problema dentro do centro de treinamento.

“Não tinha nada relacionado ao gênero, além do fato de ser algo totalmente novo. Tinham muitas dúvidas do lado de fora sobre se os jogadores obedeceriam uma mulher. E uma das melhores coisas que resultaram dessa situação é que a resposta foi um enorme sim. Os caras foram fenomenais e acho que era até um ponto de orgulho para eles. Eram muito conscientes de que aquilo era a história sendo feita e ficavam orgulhosos de fazer parte dela. Foi muito especial."

Getty
Jen Welter participou dos jogos de pré-temporada dos Cardinals
Jen Welter participou dos jogos de pré-temporada dos Cardinals

Depois de sair da NFL, Welter entendeu a proporção da sua conquista e se orgulha de ter aberto as portas da liga para que outras mulheres tivessem a oportunidade.

“Me perguntaram, esses dias, se algum dia a gente verá uma mulher ser treinadora principal na NFL. Claro que vamos, eventualmente. Mas é uma questão de tempo. Leva muito tempo para um homem ou mulher se desenvolver e se tornar um bom treinador de futebol e se tornar o técnico principal. Então, eu acho que a oportunidade está ali e a porta está aberta. Depende de cada mulher que entrar lá fazer o seu melhor e crescer como pessoa e como profissional e agarrar cada oportunidade que aparecer."

Ela entende que o principal fator que dificulta esse objetivo para as treinadoras é o atraso para entrar em contato com o futebol americano.

“A complexidade do jogo é um desafio que todo treinador tem, seja ele homem ou mulher. O problema para as mulheres, usando meu exemplo, é que comecei a jogar depois dos meus 22 anos, sabe? Enquanto os meninos começam a jogar com cinco, seis anos de idade. É um jogo complicado que requer anos de estudo para qualquer um, mas se você entra no jogo mais tarde que os outros, tem mais tempo de aprendizado pela frente”, explica.

Welter ainda identifica algumas oportunidades que não foram exploradas por nenhuma mulher e que são essenciais para o cargo de técnico principal: observação e recrutamento de jogadores.

“Para conseguir os melhores talentos, precisamos criar de uma rede extensa de contatos na qual podemos achar os jogadores. E precisamos saber avaliá-los pela perspectiva do draft. Isso é algo que as mulheres no nosso esporte ainda não fizeram ou tiveram que fazer”, diz a doutora.

MULHERES JOGANDO NA NFL

E quando o assunto é sobre mulheres jogarem na NFL, não pensa diferente. Para ela, isso também é uma questão de tempo.

“Não tem motivo algum, especialmente com as mulheres começando a jogar cada vez mais cedo, para que a gente não veja isso acontecer. Mas é tem que ser por mérito. A Becca (Longo) tem uma ótima oportunidade agora de liderar isso, por estar no sistema universitário e ter acesso aos melhores programas de treinamento e exercícios que estão disponíveis para que ela tenha sucesso. Só que vai levar um tempo."

LEVANDO O FUTEBOL AMERICANO PARA MULHERES DO MUNDO INTEIRO

Além de publicar o livro “Play Big: lições sobre viver sem limites da primeira mulher a treinar um time da NFL”, em que compartilha sua experiência para que possa inspirar cada vez mais pessoas, Jen Welter vive com uma agenda cheia de projetos. Desde 2015, ela se dedica a ensinar o futebol americano para meninas e mulheres do mundo inteiro. E, por enquanto, não tem planos de voltar para a NFL, mas confessa que se uma oportunidade surgisse seria muito difícil não se entregar.

Ano passado, rodou os Estados Unidos com o Camp GrrriDiron Girls, para meninas de 6 a 18 anos. Foram 12 cidades diferentes que reuniram milhares de jogadoras interessadas em aprender com sua maior referência.

Também criou o “A day in the NFL” (Um dia na NFL), no qual leva mulheres para o complexo de um time da liga para vivenciar uma rotina comum dos atletas. Ela comanda treinamentos, mostra filmes de jogadas, passa pelo playbook, entre outras atividades.

Jen ainda se juntou a Snoop Dog, em um projeto que ensina o futebol americano para crianças portadoras de todos os tipos de necessidades especiais.

Fora dos EUA, já comandou treinamentos no Canadá e na Austrália, onde passou meses treinando o primeiro time nacional feminino de futebol americano do país, para ajudá-las na preparação para uma competição internacional.

“O que eu vou fazer em seguida ainda é um trabalho de progresso”.


PARA O BRASIL, TALVEZ?

Durante a conversa com o Linha Ofensiva, Jen Welter explicou um pouco mais sobre as dificuldades que as jogadoras internacionais enfrentam. A partir de sua própria experiência treinando mulheres fora dos Estados Unidos, disse que a falta de imersão na cultura do jogo, o que acontece com todos os americanos desde criança, dificulta a prática dos fundamentos do jogo, por conta de sua complexidade.

“Vocês estão tentando ensinar a vocês mesmos o futebol americano com o que conseguem achar na internet. É um bom começo, mas o problema disso é a integração, ver como todos os elementos se juntam em uma coisa só!.”

Quando a convidei para vir ao Brasil, ela afirmou que adoraria essa oportunidade. Mas enquanto Welter não está em terras tupiniquins, ela deixou suas impressões e dicas de treinamento para nós, brasileiras! Quer saber tudo? Assiste aí!

Jen Welter conta sua experiência ensinando futebol americano fora dos Estados Unidos

E para fechar com chave de ouro, ela ainda mandou um recadinho para todas as leitoras do nosso blog:

Jen Welter manda recado para leitoras do Linha Ofensiva