Gabriela Moreira

Gabriela Moreira

Clube se irrita com 'erros grotescos' de arbitragem e leva Segundona do Carioca à Justiça

Gabriela Moreira e Diego Garcia, do ESPN.com.br
Divulgação
América-RJ venceu Itaboraí nos pênaltis
América-RJ venceu Itaboraí nos pênaltis

Pelo que considerou "erros grotescos" de arbitragem, o Itaboraí foi à Justiça para pedir a impugnação da partida final da série B1 do Campeonato Carioca, disputada contra o América-RJ, que venceu nos pênaltis por 8 a 7 depois de empate por 2 a 2 no tempo normal. O pedido, contudo, foi indeferido em decisão publicada já no fim da tarde desta segunda-feira.

O clube reclamante acusou dois pênaltis inexistentes marcados em favor do time americano ao longo dos 90 minutos de partida, que ocorreu no último fim de semana.

"O árbitro, de forma flagrante, marcou os pênaltis mesmo tendo ciência de que, no primeiro lance, a bola não atingiu o braço do atleta do Itaboraí, e, no segundo lance, de que o aleta do América se jogou dentro da área sem sequer ser atingido", disse o Itaboraí na petição do processo.

Entre as reclamações do Itaboraí, o clube ainda disse que a escolha do árbitro do jogo não foi feita por meio de sorteio ou audiência pública. 

Os advogados do time anexaram link do youtube onde é retratada  "a suposta audiência pública que levou à escolha do árbitro da partida ora impugnada, há apenas o anúncio da escolha, sem que tenham sido identificados os demais concorrentes, nem dada qualquer oportunidade de manifestação aos clubes participantes da partida em relação à escolha do árbitro", escreveram os representantes.

"Evidentemente, o que ocorreu foi um anúncio de uma escolha unilateral e impositiva, sem que tenha havido uma “audiência”, o que certamente não atende ao disposto na lei", acrescentaram.

Entre os pedidos à Justiça, o Itaboraí pediu que o resultado da partida fosse suspensa, além de declarada nula. O clube ainda prometeu produzir provas de vídeo, acauteladas na secretaria do TJD, com a apresentação das jogadas que resultaram nas penalidades máximas e a audiência pública; prova testemunhal, com a intimação do árbitro; prova documental ora anexada.

Já no final da tarde desta segunda-feira o TJD se manifestou e indeferiu o pedido do Itaboraí. A justificativa foi a falta de provas capazes de sustentar os argumentos do clube. "A verdade é que sem a prova inequívoca e absoluta, a estabilidade e segurança Jurídica das Competições ficam vulneráveis".

Sobre a citação ao descumprimento do Estatuto do Torcedor, no que se refere à arbitragem, a acusação também não foi levada adiante. "Sem obviamente ingressar no mérito dos fatos alegados, me parece que esses questionamentos devem ser feitos no momento que antecede a partida, justamente para que não ocorra, o venire contra factum proprium, este vedado pelo Direito".