Juliana Manzato

Juliana Manzato

Existe Copa do Mundo de Paraglide, e eu fui ver de perto!

Arquivo pessoal
[]

Como já falei em alguns relatos por aqui, tenho pânico de altura. Quando o assunto é avião ou voo livre, misericórdia, é um verdadeiro Deus nos acuda. Nunca tive vontade de saltar de paraquedas, asa delta ou algo parecido, mas sempre acompanhei amigos nessas peripécias... do chão, que, convenhamos, é zero emoção. 

 Na minha última ida a Santos, me deparei com uns quatro ou cinco paragliders voando sobre a praia e me bateu uma curiosidade imensa de conhecer mais sobre o esporte. Pensei comigo: quero saltar disso aí! Não sei ao certo de onde veio essa vontade, afinal, baita contradição para quem tem pânico de altura. 

Querer e fazer são ações completamente diferentes. Voltei de Santos com muita vontade de saltar, mas decidi estudar um pouco mais o esporte antes de me arriscar. E nessa de pesquisar e entender o mínimo para poder experimentar, conheci o Pico do Gavião, a quinta melhor pista do mundo para paraglider, que fica em Águas da Prata, no interior de São Paulo, quase em Minas Gerais. 

 Comecei a acompanhar não só o esporte, mas tudo que o envolvia. No sábado passado, foi a final da Paragliding World Cup, que reuniu atletas dos mais diversos países no Pico do Gavião. Fui ate lá para acompanhar a competição e conhecer muito mais de perto essa modalidade que me chamou tanto a atenção. 

 Só a ida até o Pico do Gavião vale! O visual é incrível e o lugar tem estrutura para visitantes - isso inclui lanchonete, banheiros, loja e até espaço para crianças. Se prepare para aventura! Apesar da estrada que leva ate lá ser excelente, existe um bom trecho de estrada de terra. 

 Para entrar no Pico, é cobrado o valor de R$ 10 - leve dinheiro para garantir. Caso anime um salto, o duplo com instrutor sai em torno de R$ 300, mas não foi dessa vez que criei coragem para saltar. Fiquei de novo com muita vontade, mas por ser meu primeiro contato real com o esporte preferi só observar.  

 O primeiro contato já foi intenso o bastante.... conheci instrutores, atletas e, pasmem, até acompanhei o primeiro dia de salto solo de um aluno. 

 

Arquivo pessoal
[]

Quem saltou garante que a sensação é única. Não duvido. A sensação deve ser de liberdade absoluta! Diferente do paraquedas, que descarrega de uma única vez toda a adrenalina que a gente vai experimentar na vida, o paraglider me parece mais "ameno", mas não menos radical, que fique claro. 

 Do chão, qualquer sensação que eu contar aqui vai parecer "ok".  Afinal de contas, não experimentei a adrenalina. Mas já tenho até data para sair: combinei com amigos o salto para outubro. 

Meus amigos são seres incríveis!!!!  Já sabem que, depois de muita análise, eu vou! Hahaha 

 Então prepara aí que em outubro vai ter post do meu salto de paraglider! ;) 

 O meu primeiro contato com o esporte foi bem legal e, para jogar a real, até complexo. Quis entender como funcionava absolutamente tudo, do equipamento ao vento. E de vento, eu percebi que não entendo absolutamente NADA! Rs. 

Foi incrível acompanhar parte da competição, aprender sobre as regras de voo, ver pessoas comuns saltando e adorando logo na primeira vez. 

 Mas incrível mesmo foi o visual, daqueles que só o esporte pode proporcionar, sabe? Se for visitar o Pico do Gavião, seja para saltar ou só aproveitar, fique ate o pôr do sol. É mágico!

 Siga o Pico do Gavião no Facebook e no Instagram.