Paulo Cobos

Paulo Cobos

Que tiki-taka que nada; no Brasileiro, posse de bola é caminho para a derrota

Paulo Cobos, blogueiro do ESPN.com.br

R. Gaúcho corrige sua fala, se desculpa, diz que o Grêmio tem que fazer sua parte, mas crava: 'O Corinthians vai tropeçar'

Guardiola, e o seu amor pela posse de bola, seria um alienígena se trabalhasse no Campeonato Brasileiro. Com dados do TrueMedia, a ferramenta de estatísticas da ESPN,  o blog levantou o índice de posse de bola dos 20 clubes que disputam a competição em 2017 nas vitórias e nas derrotas. E o resultado é uma condenação categórica à estratégia de ficar com o controle da bola.

Das 20 equipes, 17 têm melhores resultados quando ficam menos com a bola no pé. O Grêmio têm marca idêntica tanto nas vitórias quanto nas derrotas e só o Bahia tem um índice maior nos triunfos do que nos fracassos. O Corinthians ainda não perdeu, mas nas três vezes que empatou teve 61,4% de posse de bola, contra apenas 50,1% nas 11 vitórias que acumula.

Em alguns clubes a diferença é enorme. O São Paulo venceu apenas três jogos, todos ainda com Rogério Ceni no comando. E nessas partidas teve apenas 46,6% da posse da bola. Já nas oito derrotas, o domínio da pelota do time dispara para 56,6%.

O Palmeiras de Cuca é outro que é muito mais eficiente quando fica menos com a bola: 53,6% nas vitórias e 58,7% nas derrotas.

No caso de 15 clubes, as derrotas aconteceram com média de posse de bola acima dos 50%.  E no caso das vitórias, só quatro ultrapassaram esse patamar.

Compara o índice de posse de bola de cada time

Time                 Nas vitórias            Nas derrotas

Flamengo           56,2%                       60,6%
Palmeiras           53,6%                       58,7%
Grêmio                51,7%                       51,,7
Corinthians      50,1%                          -
Sport                    50,0%                        56,0%
Coritiba              47,5%                        51,5%
Bahia                   47,5%                         46,7%
Vasco                  47,2%                         49,2%
Cruzeiro           47,0%                         50,2%
Santos               46,9%                         55,4%
São Paulo        46,7%                         56,6%
Fluminense    46,2%                         51,8%
Atlético-MG  46,2%                         61,9%
Chape                45,7%                         56,1%
Ponte Preta   45,6%                         54,6%
Vitória               44,5%                        51,9%
Botafogo         43,3%                        47,7%
Atlético-GO  41,2%                         44,0%
Atlético-PR   37,7%                         55,6%
Avaí                   30,5%                         50,5%