Mauro Cezar Pereira

Mauro Cezar Pereira

Vascaínos x Euriquistas

Mauro Cezar Pereira, blogueiro do ESPN.com.br
Getty
Violência nas arquibancadas marcou Vasco x Flamengo em São Januário
Violência nas arquibancadas marcou Vasco x Flamengo em São Januário

A batalha de São Januário refletiu algo muito maior do que um grupo de "vândalos, baderneiros, desordeiros", como é comum ouvirmos a cada confusão em estádio de futebol. Não foi briga de torcidas de diferentes clubes, não foi confronto motivado por rivalidade entre organizadas de um só time. Foi o estopim aceso sobre o barril de pólvora no qual a Colina se transformou.

Vascaínos não aguentam mais Eurico Miranda. Querem transformações urgentes. E têm se manifestado, desde o ano passado, quando, na Série B, os protestos se tornaram frequentes. No jogo do acesso, houve alívio pelo volta à primeira divisão misturado aos gritos pela saída do presidente num Maracanã lotado. Essa insatisfação só cresce. O movimento por mudanças também.

Assista imagens das cenas lamentáveis após Vasco x Flamengo em São Januário

No estádio, onde ficam grupos que se opõem à atual gestão havia o dobro de seguranças do clube. Só uma bela vitória sobre o maior rival poderia acalmar corações e fazer com que a euforia pelo resultado arrefecesse os protestos crescentes contra a efetivação de uma dinastia Miranda. Mas em campo a fragilidade do time, ainda mais com desfalques, mostrou que as chances eram pequenas.

Enquanto o Flamengo derrotava o Vasco no gramado, confusões pipocavam entre os torcedores do time da casa. Miranda e os seus ficaram no camarote presidencial, alguns de seus seguidores se instalaram nas sociais. Integrantes de organizada aliada ao presidente espalharam-se pelas arquibancadas, algo que acontece em todos os jogos. Desta vez numa atmosfera mais tensa, bélica.

Eurico pede desculpas por confusão em São Januário: 'O que aconteceu aqui não é Vasco'

Uma reunião acontecerá na terça-feira entre cinco grupos de oposição. Mesmo ex-partidários do presidente já acreditam que o caminho é a união. E o que se passou no sábado reforça tal ideia. Mas unir todas as pontas é o mais difícil. Julio Brant, candidato derrotado na última eleição, se aproxima de Otto Alves de Carvalho Júnior, vice-presidente do conselho fiscal, e ex-aliado de Eurico.

Encontrar um nome de consenso entre os grupos e lançar a candidatura até agosto é o objetivo. Por isso, os opositores tentarão atrair, nos próximos dias, o Vice Presidente de Futebol, José Luis da Silva Moreira, o "Zé do Táxi", que está licenciado. Grandes beneméritos e quase todos os grupos de oposição são esperados na reunião, exceto o de Alexandre Campelo, ex-médico do Vasco.

Rivalidade e ambiente político carregado no Vasco: Mauro explica contexto da confusão em São Januário

Além de discutir mudanças urgentes e como concorrerão à presidência, pretendem pedir o afastamento do presidente. Mas antes será necessário uniformizar objetivos e algumas concessões deverão acontecer, para que seja formada a chapa. Uma das propostas a serem apresentadas é a de, por meio de uma pesquisa, escolher o candidato com maiores chances de vitória. E, claro, há planos para o futebol.

Na entrevista após o jogo e a batalha de São Januário, Eurico Miranda sugeriu torcida única para futuros clássicos. Como seria? Sem vascaínos no estádio, onde entrariam apenas euriquistas? Por que em São Januário eles assim se dividem há algum tempo.

Assista ao gol da vitória por 1 a 0 do Flamengo sobre o Vasco