Gabriela Moreira

Gabriela Moreira

Sem apoio de Dória, jogos LGBT reúnem 400 atletas no Ibirapuera

Gabriela Moreira, blogueira do ESPN.com.br
Marcelo D.Sants
I Jogos da Diversidade LGBT (Ibirapuera)
Jogador Flor, do Natus, foi um dos artilheiros da competição.  

A prefeitura de João Dória não quis apoiar a causa esportiva LGBT. Pela primeira vez no Brasil, foram realizados neste sábado os Jogos da Diversidade. Campeonatos de futebol, vôlei, handebol, natação e queimada em que os jogadores eram formados por lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais e transgêneros. Durante cinco meses, os organizadores tentaram apoio da prefeitura, mas embora sinalizasse inicialmente que iria contribuir, o órgão público acabou não participando do evento nem com cessão de espaço para a competição.

A confirmação da retirada do apoio veio muito tarde, segundo os organizadores. O jeito foi pedir ajuda ao Governo do Estado. Por lá, o tratamento foi bem diferente. A gestão de Geraldo Alckmin, através da Secretaria de Esportes, Lazer e Juventude, conseguiu desembaraçar sem grandes problemas a burocracia envolvida para ceder o Ibirapuera para as atividades, mesmo em tempo curto.

Após a publicação do post, a Prefeitura enviou nota. Leia ao fim do texto. 

Marcelo D.Sants
I Jogos da Diversidade LGBT (Ibirapuera)
I Jogos da Diversidade LGBT (Ibirapuera). De amarelo, os Beescats, do Rio. Ao fundo, o paulista Natus 

"O Esporte ajuda a romper barreiras. O Estado não pode colocar pedras a este tipo de ação", declarou ao Blog o assessor de gabinete da Secretaria de Esportes do Governo do Estado, Jaime Ferreira.

O custo do aluguel das quadras, piscina e pista de atletismo do Ibirapuera gira em torno de R$ 100 mil, mas para que os Jogos fossem realizados no espaço, a Associação da Parada Gay arcou apenas com a taxa de manutenção, cerca de R$ 3,7 mil.

Cariocas do ´Beescats´ 

A faculdade FMU também contribuiu com os Jogos levando 60 alunos de educação física para apitar, bandeirar e auxiliar na organização das partidas.

"Precisamos ensinar a inclusão desde a faculdade. Grande parte dos alunos que vieram são heterossexuais, mas entendem que não pode haver preconceito no Esporte", afirmou o professor Dilson Vilela, da cadeira de Ética na universidade.

Ao todo, os Jogos reuniram cerca de 400 atletas. No futebol, a competição foi mais acirrada. Partidas entre homens transgêneros e times formados por lésbicas foram um dos destaques. O evento contou com a participação de times de outros estados, como os Beescats, do Rio de Janeiro.

No futebol, a equipe campeã foi a Bulls, seguida da Natus FC, ambas formadas por maioria gay. Em terceiro, ficou o Meninos Bons de Bola, de homens trans. 

Os jogos foram inspirados na competição mundial LGBT, os Gay Games, que tem na próxima edição, em 2018, serão realizados em Paris, na França. O Brasil nunca enviou time de futebol para o evento. 

Nota da Prefeitura: "Ao contrário do que afirma o post, um único contato foi feito, no dia 17 de abril, por e-mail, com a Coordenadoria de Gestão do Esporte de Alto Rendimento, responsável pelo Centro Olímpico de Treinamento e Pesquisa (COTP). A Coordenaria respondeu à requisição reiterando o apoio à causa, mas que preserva a utilização do espaço exclusivamente para o treinamento dos atletas.

A secretaria informa, ainda, que, em momento algum, a solicitação chegou ao conhecimento da Coordenadoria de Gestão Estratégica dos Equipamentos, responsável pelos Centros Esportivos e Estádios Municipais da cidade de São Paulo. Por este motivo, não foi possível atender com a mesma atenção dos outros eventos esportivos voltados ao público LGBT realizados nos nossos espaços". 

A informação de que "um único contato foi feito (pelos organizadores do evento) no dia 17 de abril", não procede. O Blog teve acesso aos emails e ofícios protocolados formalizando o interesse em usar as instalações do Centro Olímpico ou outro espaço público. O primeiro contato com o secretário de Esportes Jorge Damião foi feito em 16 de fevereiro com uma reunião entre o próprio e os organizadores, seguida de trocas de emails. Após o encontro, a Associação da Parada do Orgulho LGBT passou a se corresponder com subordinados do secretário por mensagens e também por ofícios protocolados em março.  

 

Marcelo D.Sants
I Jogos da Diversidade LGBT (Ibirapuera)
I Jogos da Diversidade LGBT (Ibirapuera) 
Marcelo D.Sants
I Jogos da Diversidade LGBT (Ibirapuera)
I Jogos da Diversidade LGBT (Ibirapuera). Evento também teve "gaymada", vôlei, handebol e natação