Gabriela Moreira

Gabriela Moreira

STJD levará Inter a julgamento mantendo chance de exclusão da Série B e ex-presidente é única pessoa que será julgada

Gabriela Moreira, blogueira do ESPN.com.br
Zé Elias não acredita em punições duras ao Internacional após denúncia do STJD

De todos os 12 acusados pela investigação do STJD sobre o uso de documentos falsos no caso Victor Ramos, a Procuradoria do Tribunal denunciou o presidente do clube à época, Vitório Piffero, e o Internacional. De acordo com a denúncia, o dirigente colorado sabia que os e-mails estavam adulterados e, mesmo assim, resolveu manter os documentos no pedido ao Tribunal. Piffero vai a julgamento por uso de documento falso e pode pegar até 2 anos de suspensão do futebol. Já para o Inter, a Procuradoria manteve o enquadramento no artigo 61 do Código Disciplinar da Fifa, que prevê como pena máxima a exclusão da competição e como mais leve, multa. O julgamento será na terça-feira.

Ficaram de fora da denúncia, os advogados, o executivo do Vitória à época, Anderson Barros, e os empresários e agentes envolvidos. Na denúncia, distribuída na última quarta-feira, o procurador Alamiro Velludo Salvador Netto afirma que os advogados não cometeram qualquer violação às normas regidas pela Justiça Desportiva e que cabe somente à OAB analisar a conduta dos profissionais. Já ao ex-dirigente do Vitória, Anderson Barros, a procuradoria afirma que ele se retratou em depoimento. 

A afirmação de que o ex-presidente do Inter sabia que os documentos estavam adulterados é feita a partir de depoimento do diretor jurídico da CBF, Carlos Eugênio Lopes. Ele afirmou em interrogatório durante a investigação que "informou - via telefone e pessoalmente - por mais de uma vez, da incongruência do documento".

Além do uso de documento falso, Piffero também será julgado pelo artigo 258, agir contra a moral desportiva (suspensão de até 10 partidas). Se punido, ele poderá acumular as penas pelo uso do documento falso (234) com a pena do 258, podendo pegar de 6 meses a 2 anos de suspensão, além dos 10 jogos de suspensão.

Irritado, advogado do Inter tranquiliza torcedores, garante 'total lisura' e comenta 'relatório bomba'

Piffero não foi ouvido durante o inquérito, mas, segundo o auditor Mauro Marcelo, responsável pelas investigações, ele foi procurado formalmente pelo órgão. A reportagem também está tentando contato com o ex-dirigente. 

No relatório, o auditor exime o clube de responsabilidade na adulteração dos documentos e aponta como autor das alterações o empresário do jogador Victor Ramos, Francisco Godoy. A responsabilidade dele está sendo apurada pelo Ministério Público do Rio. 

Perícia

A Procuradoria não levou em consideração o parecer feito por peritos contratados pelo Internacional, apontando parcialidade e erros técnicos sobre o trabalho das duas peritas contratadas pelo STJD. De acordo com a denúncia, a contratação das profissionais foi feita de forma "imparcial" por "notório know how".

O julgamento será feito pela 5ª Comissão Disciplinar, cujo relator é auditor José Nascimento.