Gabriela Moreira

Gabriela Moreira

Após prisão de cúpula, eleição da CBDA terá 8 vezes mais eleitores

Gabriela Moreira, blogueira do ESPN.com.br

Após a prisão da cúpula da Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA) e da intervenção judicial na entidade, a confederação vai, enfim, ter eleições para escolha dos novos dirigentes. E com um colégio eleitoral inédito no esporte. Na semana passada, por decisão da Justiça, ficou determinado que não só as federações poderão votar, como todos os clubes que participam de competições nacionais das cinco modalidades da entidade. A medida expande de 27 para 217 o número de eleitores, o que deixa a eleição com um colégio eleitoral 8 vezes maior. 

Além disso, na decisão, a juíza Simone Gastesi Chevrand, da 25ª Vara Cível, determina que o peso do voto de todos os eleitores sejam iguais. A medida visa coibir manobras como a que aconteceu na CBF e outras confederações, em que os dirigentes diminuíram o valor do voto de clubes ou da comissão de atletas, como fez a Confederação de Handebol.

Possibilidade de novas chapas

Até agora, apenas duas chapas inscreveram candidatos para a eleição, a encabeçada por Sérgio Silva, o Serjão, ex-presidente da Federação Bahiana de Desportos Aquáticos, que tem o apoio de Coaracy Nunes _ ex-presidente que está preso _ e a de Miguel Cagnoni, da Federação Aquática Paulista. A juíza também aumentou o prazo para inscrição de novas chapas.

Reprodução ESPN
Interventor judicial da CBDA explica manutenção do patrocínio dos Correios
Interventor judicial da CBDA, Gustavo Licks, coordena transição de gestões na entidade

O fato desagradou à candidatura de Miguel, que apelou à juíza que reconsiderasse a decisão. O grupo sustenta que o prazo determinado no estatuto para as inscrições venceu em novembro. A magistrada confirmou a possibilidade de novas chapas e ainda criticou o pedido:

"A leitura de ambas as peças permite concluir que cada integrante da CBDA - requerente - quer fazer valer regras estatutárias e até mesmo legais segundo seus interesses próprios. Agora, ao que tudo indica, querem manter no processo eleitoral apenas os dois candidatos então existentes: da situação e da oposição. Sendo que o da situação, por força das prisões de vários membros da Diretoria afastada, decerto encontra-se enfraquecido. O que, por sua vez, praticamente o deixa só no pleito e o conduziria à eleição. Querem mais. Excluir da eleição categorias que não de adultos. Ou seja, buscam inserir na clara norma legal restrição que lá não está contida".

No pedido, os advogados da candidatura também tentaram restringir o colégio eleitoral apenas aos clubes que congregam atletas adultos. Ambos pedidos foram negados.

"Fizemos o pedido porque entendemos que, na Lei Pelé, o capítulo que trata das eleições em confederações esportivas está inserido no capítulo de Alto Rendimento e somente os clubes adultos trabalham o alto rendimento. E quanto ao prazo, sustentamos que a juíza fizesse valer o prazo do estatuto, que não continha ilegalidade. Mas isso já está superado, entendemos que a decisão da juíza é democrática e atende aos preceitos da transparência e legalidade que estamos buscando", respondeu ao Blog, um dos advogados da chapa de Miguel Cagnoni, Marcelo Jucá. 

Veja quem vota:

27 federações
189 ou 158 clubes (ainda há dúvidas sobre os clubes que estarão aptos a votar)
1 comissão de atletas (formada por: Leonardo de Deus, Carlos Henrique Rosa, Jessica Gonçalves, Rudá Franco e Tammy Takagi)

As eleições ocorrem no próximo dia 9, no Rio. Os clubes que pretendem votar devem registrar o interesse, apresentando documentação necessária, até o dia 31 de maio.

O Blog não conseguiu contato com os responsáveis pela chapa apoiada por Coaracy Nunes. 

Abaixo, assista a algumas matérias que o Jogo Limpo fez sobre a entidade que cuida da natação, do pólo aquático, do nado sincronizado, dos saltos ornamentais e da maratona aquática. 

Superfaturamento, empresas fantasma... Por e-mail, dirigentes construíam esquemas ilegais na CBDA
Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos é investigada por superfaturamento e fraudes