Gabriela Moreira

Gabriela Moreira

Como Atletiba na internet, e sem Globo, virou chance de faturar

Gabriela Moreira, blogueira do ESPN.com.br

O modelo adotado pelo Atlético-PR e Coritiba para a transmissão da final do Estadual, via internet, está prestes a trazer mais receita aos dois do que se tivessem fechado contrato com a televisão. Embora a exibição seja gratuita, com os clubes ainda pensando em criar formas de cobrar alguma taxa, a soma dos patrocínios pontuais que foram fechados para serem exibidos durante a partida já chega perto dos R$ 2 milhões oferecidos pela TV Globo para a temporada para as duas agremiações, garantem os dirigentes dos clubes.

Sem falar dos dividendos políticos, demonstração de força e alternativas comerciais para ambos. Desde as semi-finais, a televisão não transmite nenhum jogo do campeonato. A Federação do Paraná, que no primeiro confronto entre os clubes, usou de artifícios para impedir a iniciativa, ficou isolada. As finais estão sendo organizadas como se não houvesse a entidade. Até a premiação será diferente. Haverá um local no gramado, em separado do que é organizado pela federação. Também haverá um troféu diferente e para o qual os clubes também tentam patrocínio específico.

Divulgação
Transmissão do clássico Atletiba será feita por Facebook e Youtube
Transmissão do clássico Atletiba será feita por Facebook e Youtube

"Mais um pouquinho estamos igualando a receita que a TV nos ofereceu por todo o campeonato. Isso porque não tivemos tempo de organizar como gostaríamos. Estamos fechado patrocínios para serem exibidos durante a transmissão pelo Youtube e outras parcerias", disse Mário Celso Petraglia, presidente do Conselho Deliberativo do clube, sem revelar as cifras exatamente.

Um caminho para aumentar a arrecadação com o jogo seria cobrar uma taxa para a exibição na internet. No Youtube, isso já está praticamente descartado. Mas ainda há conversas com o Facebook. A taxa pensada para este modelo seria algo em torno de R$ 10. No primeiro jogo, um total de 170 mil pessoas assistiram à partida. Se o mesmo se repetisse, daria um total de R$ 1,7 milhão.

"Tivemos a entrada de novos players nesse mercado. É um modelo que precisamos estudar. A transmissão via streaming já funciona em muitos países", disse Petraglia.

Entenda

Após a criação da Primeira Liga, que visava substituir os estaduais, a TV aumentou o pagamento pelos contratos de transmissão aos clubes do Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Minas Gerais. Aos do Paraná, o aumento não foi considerado relevante. Nesta temporada, a emissora pagou R$ 4 milhões para serem divididos entre os dez clubes de menor porte do estado e ofereceu R$ 1 milhão para Atlético-PR e Coritiba, cada.

Ambos recusaram e, por isso, nenhuma partida dos clubes pôde ser transmitida na televisão.

*Nota do Blog: o Coritiba entrou em contato com o Blog para informar que estuda uma forma de cobrar alguma taxa, no futuro, pela transmissão via internet. Mas que ainda não encontrou o modelo ideal. Em relação ao Facebook, o clube disse que não foi pensado em cobrar pela transmissão nesta plataforma, uma vez que a política da empresa é de oferecer o serviço de forma gratuita.