Gabriela Moreira

Gabriela Moreira

Bola na Área: Botafogo começa a pagar 'presente' de R$ 1,5 milhão dado a campeão brasileiro há 22 anos

Gabriela Moreira, blogueira do ESPN.com.br

Presente alvinegro

*Às sextas-feiras, o Blog publica um formato diferente, o Bola Na Área, uma coluna de notas curtas.

Clube de maior dívida do país, mais de R$ 730 milhões, até o ano passado, o Botafogo ainda convive com passivos de gestões bem antigas. Uma das explicações para tamanho rombo financeiro, as desastradas escolhas de presidentes passados ainda batem na porta do alvinegro. E fazem barulho. Como uma conta que o clube vem pagando desde novembro: prestações de um apartamento comprado pelo clube para o ex-jogador Beto, o meia, também conhecido como Beto Cachaça e campeão brasileiro com o clube em 1995. O custo da dívida passa de R$ 1,5 milhão.

Desde que foi condenado, o clube já pagou cerca de R$ 600 mil. A ação foi movida pela empresa que era dona da propriedade, Martinelli Construtora, que lutava para receber o pagamento desde 2002. Por decisão da Justiça, o alvinegro chegou a ter renda de jogos penhoradas, além de receitas de televisão, junto à Ferj. De acordo com o processo, que corre na 45ª Vara Cível, o apartamento foi comprado em 1995, quando o presidente do clube era Carlos Augusto Montenegro.

Segundo o jogador, a propriedade foi recebida em troca de salários atrasados. 

"Eles me deviam salário e, no acordo, eles me pagaram com o apartamento", explicou Beto ao Blog.

O imóvel, uma cobertura no Recreio dos Bandeirantes, zona oeste do Rio, foi negociado à época por cerca de R$ 676 mil. O negócio se deu entre o Botafogo e a construtora, mas o clube nunca teria pago uma parcela sequer. A conta uma hora chega, sempre chega.

Maurício Serpa
Carlos Augusto Montenegro, ex-presidente do Botafogo
Carlos Augusto Montenegro, ex-presidente do Botafogo

Dono é atual presidente da Ferj

A saber, o dono da Martinelli Construtora, que agora recebe do Botafogo, é José Luiz Martinelli, presidente interino da Federação de Futebol do Rio, a Ferj. Ele ocupa a vaga de Rubens Lopes, que se ausentou do cargo por motivos médicos.

Á época do negócio, ele era próximo da gestão de Montenegro, da qual chegou a fazer parte. Não recebeu da gestão do amigo, mas está recebendo com juros e correção, de Carlos Eduardo Pereira.

A saber 2

O presidente interino da Ferj que, além de ser dono de uma construtora, ocupou outro cargo nas estruturas de poder carioca: em 2015, quando era vice de Rubens Lopes, ganhou um cargo comissionado no Tribunal de Contas do Estado (TCE), na Coordenadoria de Prevenção a Incêndios. Durante cinco meses, recebeu pouco mais de R$ 13 mil bruto pela função.

Ao sair, deixou a vaga para o filho, Anderson Martinelli. A decisão de contratar a família Martinelli veio do conselheiro Domingos Brazão, sócio do grupo num posto de gasolina, o "Auto Posto Giromanilha".

O dono do apartamento que foi dado pelo Botafogo a Beto, Martinelli, também foi o responsável pela suntuosa reforma da sede da Federação.

As relações foram reveladas pelo Blog à época das nomeações, nesta nota.

Sem salário

O atleta olímpico de Tiro com Arco, maior revelação brasileira na modalidade, Marcus Vinícius D'Almeida, de 19 anos, está sem salário desde o fim da Olimpíada no Rio. Tanto Comitê Olímpico Brasileiro (COB), quanto a Confederação Brasileira de Tiro com Arco, deixaram de contribuir com os pagamentos. Eram cerca de R$ 5 mil mensais, que não entram mais na conta do jovem arqueiro.

Desde o fim dos Jogos, Marcus Vinícius perdeu três patrocínios privados, mas ainda mantém dois, que têm sido suficiente para que ele siga treinando.

Além de não ter mais apoio do dirigentes esportivos, Marcus Vinícius perdeu toda a comissão técnica que lhe dava apoio.

"O pior foi ter ficado sem técnico e sem a equipe multidisciplinar. Isso é que tem prejudicado bastante", conta o atleta, que acaba de bater mais um recorde brasileiro em competição na Europa.

Troféu, recorde brasileiro indoor e mais; Marcus Vinícius comenta experiência na Europa

No último fim de semana, o arqueiro ficou em primeiro lugar na seletiva para as duas próximas etapas da Copa do Mundo, que serão realizadas na Turquia e nos Estados Unidos, em junho.