Mauro Cezar Pereira

Mauro Cezar Pereira

Árbitro que quase não dá pênaltis, e até já voltou atrás em um, 'presenteou' o Barça com dois

Mauro Cezar Pereira, blogueiro do ESPN.com.br

Em 19 jogos — 11 pela Bundesliga, quatro da Champions League, três da segunda divisão alemã e um da Europa League —, o árbitro alemão Deniz Aytekin marcou apenas quatro pênaltis. Dois generosos, aliás, generosíssimos para o Barcelona, nos 6 a 1 que eliminaram o (amarelão) Paris Saint Germain.

A interferência do apitador germânico no andamento do jogo, no placar, na disputa pela vaga, foi uma das mais constrangedoras em muito tempo. Quando os catalães não pareciam ter mais chances, entendeu como penalidade máxima uma cavada descarada de Luis Suárez, que Neymar transformou em gol.

O Barça é um clube imenso, sua relevância extrapola o futebol, é um símbolo da Catalunha e dos históricos confrontos com a coroa espanhola, com Madri. Não se sabe os motivos, mas os árbitros parecem se apaixonar pela causa, afinal, não é uma novidade esse tipo de situação, como Milan, Chelsea e outros já sentiram.

Dois pênaltis em 18 jogos na temporada havia marcado o Aytekin antes desta partida. E no Camp Nou ele deu mais um par (e aqueles dois!) durante 90 minutos. Em 142 aparições domésticas e internacionais, ele assinalou 41, média de apenas 0,29 por peleja, ou seja, passa mais de três cotejos sem marcar tal infração.

Curiosamente, o apitador da Bundesliga chegou a voltar atrás numa marcação. Em 2014 Aytekin atribuiu uma penalidade ao Eintracht Frankfurt contra o Stuttgart. Depois de conversar com seu assistente, mudou de ideia e cancelou o pênalti (vídeo acima). Fica claro que alemão, pelo currículo, não é de marcar tantas penalidades máximas.

Por alguma razão, na noite catalã, apontou freneticamente a chamada marca fatal. Saiu de seu padrão habitual. E como saiu! Assim, o fez duas vezes num jogo em que a equipe da casa precisava de muitos gols. Azar do PSG. Time de sorte esse Barcelona, não?