Gustavo Hofman

Gustavo Hofman

Maior e melhor, começa mais uma edição da Major League Soccer

Gustavo Hofman
Kaká e parceiros de Orlando City soltam a voz ao som do reggaeton

Começa nesta sexta-feira a 22ª temporada da Major League Soccer, o campeonato norte-americano de futebol. A cada ano a competição fica maior e mais forte. Dois novos times estreiam nesta edição da MLS.

O Atlanta United, comandado pelo técnico Tata Martino (ex-Barcelona e Argentina), vai mandar seus jogos no Mercedes-Benz Stadium. A equipe pertence a Arthur Blanc, proprietário também do Atlanta Falcons, da NFL. Já o Minnesota United vai começar sua trajetória na liga no antigo estádio do Minnesota Vikings, o TCF Bank Stadium.

Nos últimos dez anos o crescimento da competição é notório. Saltou de 14 times em 2008 para 22 nesta temporada, e já tem prevista a chegada de uma nova franquia para 2018, o Los Angeles FC. Outras duas novas equipes serão anunciadas neste ano para estrearem em 2020.

O Seattle Sounders, de Nicolás Lodeiro, vai defender o título e buscar o feito que somente três times em toda história da competição conseguiram: o bicampeonato. DC United (1996 e 97), Houston Dynamo (2006 e 2007) e LA Galaxy (2011 e 2012) foram os únicos a vencerem a MLS em temporadas consecutivas.

Os atuais campeões, aliás, promovem jogo a jogo um belíssimo espetáculos nas arquibancadas do CenturyLink Field. Em média, na temporada passada, 42.636 torcedores acompanharam os jogos do time em Seattle. A MLS aumentou a presença do público pelo quinto ano seguido, se colocando na oitava colocação mundial entre campeonatos de futebol com 21.692 de média.

Nas casas de apostas de Las Vegas os favoritos são New York City, Toronto FC e LA Galaxy, com os Sounders aparecendo logo na sequência. Outro bem cotado é o New York Red Bulls, time que mais somou pontos nas quatro últimas temporadas (64, ao lado do próprio Seattle), mas que ficou sem título em todas elas. A MLS possui duas conferências, com temporada regular, playoffs e depois a MLS Cup, grande final em jogo único. Além disso, mantém teto salarial e limite de gastos e contratações.

Divulgação
Gerardo Martino, ex-técnico de Barcelona e seleção argentina, vai trabalhar nos EUA
Gerardo Martino, ex-técnico de Barcelona e seleção argentina, vai trabalhar nos EUA

Individualmente, a competição tem muitas atrações além dos veteranos europeus e sul-americanos, casos de Sebastian Giovinco (Toronto), Giovanni dos Santos (LA GAlaxy), Michael Bradley (Toronto), Federico Higuaín (Columbus Crew), Ignacio Piatti (Montréal Impact), Bradley Wright-Phillips (New York Red Bulls) e Jozy Altidore (Toronto).

Entre os brasileiros, naturalmente Kaká é quem mais chama a atenção, mas os clubes norte-americanos têm buscado jovens promessas, como o meia Artur, de 20 anos, emprestado pelo São Paulo ao Columbus. Há figuras bem conhecidas, como o lateral/meia Ilsinho, atualmente com 31 anos e vestindo o uniforme do Philadelphia Union. E há, até mesmo, brasileiro defendendo a seleção dos Estados Unidos. Benny Feilhaber, meia do Sporting Kansas City, nasceu no Rio de Janeiro. Seus avós paternos eram judeus e fugiram da Áustria por causa da perseguição nazista. Desembarcaram no Brasil, onde criaram a família, que se mudou para Nova York quando o jovem Benny estava com seis anos.

Tecnicamente, a MLS ainda está muito distante dos melhores campeonatos do planeta, mas evoluiu demais. É possível equipará-la, tranquilamente, às ligas medianas da Europa e algumas das principais sul-americanas. No entanto, em âmbito internacional, os times da Estados Unidos e Canadá ainda sofrem contra os mexicanos na Liga dos Campeões da Concacaf. Na atual temporada, querem mudar isso: o Dallas já está nas semifinais, onde vai encarar o Pachuca; Na outra perna, o Tigres aguarda o vencedor do confronto entre Vancouver Whitecaps e New York Red Bulls.

A rodada de abertura tem nesta sexta-feira à noite Portland Timbers x Minnesota United. A ESPN Brasil transmite no domingo, às 19h20, Orlando City x New York City. Muito além do confronto "italiano" Kaká x Andrea Pirlo, da briga de artilheiros Cyle Larin x David Villa, a partida marca também a inauguração oficial do Orlando City Stadium, com capacidade para 25.500 torcedores.

O time do proprietário brasileiro Flávio Augusto da Silva teve desempenho ruim como mandante em suas duas primeiras temporadas na MLS. Atuando no Citrus Bowl, somou apenas 51 pontos, pior marca da liga nesse período ao lado do Chicago Fire. Está em busca dos playoffs.

See you ?? #WelcomeHome

A post shared by Orlando City SC (@orlandocitysc) on Mar 2, 2017 at 10:46am PST