Gustavo Hofman

Gustavo Hofman

Do gol no título mundial da Alemanha ao banco do Dortmund, a decepcionante trajetória de Götze e Schürrle

Gustavo Hofman
Divulgação
Comemoração do histórico gol na final da Copa de 2014
Comemoração do histórico gol na final da Copa de 2014

Aos oito minutos do segundo tempo da prorrogação, na intermediária ofensiva, André Schürrle recebeu passe de Toni Kroos e iniciou a arrancada. Buscou o lado do campo e conseguiu fazer a jogada de linha de fundo, acertando o cruzamento para Mario Götze, que dominou a bola no peito e bateu com o pé esquerdo.

O gol do título da Alemanha na Copa do Mundo de 2014 foi extremamente simbólico. Schürrle e Götze foram os primeiros jogadores nascidos na Alemanha unificada a defenderem a seleção alemã de futebol. O 1 a 0 sobre a Argentina deu à Nationalef seu quarto título mundial e a perspectiva de novos craques.

Pouco mais de dois anos e meio depois daquela 13 de julho de 2014, os dois protagonistas do momento histórico são apenas reservas no Borussia Dortmund. No último sábado, os dois acompanharam a importantíssima vitória sobre o RB Leipzig no banco do Signal-Iduna Park.

Em seu retorno ao Dortmund, após quatro apagadas temporadas com o Bayern Munique, Götze, 24 anos, tem até aqui números discretos na Bundesliga, após 19 rodadas: 11 jogos, sendo nove como titular e 763 minutos no total, além de um gol e uma assistência. Com Copa da Alemanha e Liga dos Campeões ele soma mais cinco partidas jogando desde o início e outro gol.

Já Schürrle, 26 anos, outro reforço do time para a temporada 2016-17 após voltar ao Campeonato Alemão com o Wolfsburg, jogou menos ainda. São nove jogos na Bundesliga, seis como titular, e um gol e duas assistências. Com a DFB Pokal e a Champions League, acrescenta cinco partidas, duas desde o início, e dois gols.

Houve a impressão, pós-título mundial de 2014, que a Alemanha tinha uma geração pronta para assumir o protagonismo deixado por Miroslav Klose, Bastian Schweinsteiger, Philipp Lahm, entre outros. Desses novos jogadores, sem dúvida alguma Götze foi quem sempre prometeu mais, e Schürrle sempre apareceu como boa opção de elenco. Não confirmaram as expectativas, mesmo em um clube extremamente propício para voltarem a jogar bem, e enfrentaram lesões nos últimos anos.

Enquanto isso, veem uma geração mais nova, capitaneada por nomes como Joshua Kimmich e o próprio companheiro de Dortmund Julian Weigl, ocuparem o espaço dos veteranos campeões.

Confira o gol da vitória por 1 a 0 do Borussia Dortmundo sobre o RB Leipzig