Fernando Meligeni

Fernando Meligeni

Dez fatos que marcaram o mundo do tênis em 2016

Fernando Meligeni, blogueiro do ESPN.com.br

1. Andy Murray virou número 1 do mundo. Merecido, mas pouco esperado. Jogou demais e teve um final de temporada incrível;

Getty
Andy Murray conquistou o ATP Finals e fechou 2016 como número 1 do mundo
Andy Murray conquistou o ATP Finals e fechou 2016 como número 1 do mundo

2. Angelique Kerber alcançou o topo do ranking mundial. Pensar em alguma jogadora tirando o reinado da Serena Williams antes que ela decidisse parar era algo impossível até a alemã vencer o Australian Open;

Getty Images
Angelique Kerber destronou Serena Williams do topo do ranking do tênis
Angelique Kerber destronou Serena Williams do topo do ranking do tênis

3. Olimpíada no Brasil. O evento foi incrível, o tênis foi protagonista, as instalações ficaram lindas e os jogos foram excelentes. Infelizmente, o evento acabou e nada se decidiu ainda. Tem tudo para virar um elefante branco, e mais uma vez temos a nítida sensação que o pós-evento é uma vergonha no Brasil. Triste, mas várias vezes foi alertado que não tínhamos uma política para depois dos Jogos;

4. Dois títulos de Grand Slam para Bruno Soares. Ele venceu Australian Open e US Open nas duplas masculinas e chegou a ser o segundo melhor duplista do mundo. Bruno e Jamie Murray terminaram como a dupla número 1 do mundo juntos;

Getty
Jamie Murray e Bruno Soares com a taça do US Open
Jamie Murray e Bruno Soares com a taça do US Open

5. Aparição de Thiago Monteiro. Começou no Rio com a espetacular vitória sobre Jo-Wilfried Tsonga, jogou bem o Brasil Open e foi consistente durante todo o ano. Se firmou entre os 100 do mundo e trouxe boas alegrias ao tênis brasileiro. Menino dedicado, focado e humilde. Bom demais para o circuito;

Divulgação
Thiago Monteiro conquistou o título do Challenger de Aix-en-Provence
Thiago Monteiro conquistou o título do Challenger de Aix-en-Provence em 2016

6. Queda de Teliana Pereira. Como aconteceu com a maioria dos tenistas depois de um ano espetacular e ganhando dois títulos grandes, Teliana teve um ano muito complicado e de muitas derrotas. É hora de treinar, voltar a acreditar e entender que vida de tenista é assim mesmo. Se ganha, se perde, alegrias e tristezas. O mais importante é manter a calma e o foco. Teliana vai voltar a jogar seu melhor tênis;

Getty
Teliana Pereira jogou também o simples e as duplas femininas
Teliana Pereira durante partida dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro

7. Eleição para presidente da CBT. Finalmente o atual presidente, que prometeu ficar um mandato e se eternizou por três, está deixando o poder. Fez coisas boas, arrumou a entidade que, quando entrou, estava em grandes dívidas, conseguiu um bom patrocinador e outras boas ações. Não podemos tirar suas qualidades e conquistas, mas certamente sua gestão também ficou marcada por seu péssimo relacionamento com jogadores, sua maneira autoritária e declarações ruins contra patrocinadores, ex-atletas ou simplesmente pessoas que não concordavam com suas ideias. Perdeu a chance de unir o tênis. Quando entrou, tinha todos ao seu lado. Foi perdendo aliados e ficou marcado pela frase que falou para mim e outras tantas pessoas: "De que lado você está?". Deixa a confederação com a maioria agradecendo sua saída e torcendo para que o próximo tenha a lucidez de falar com todos, entender que a entidade é do tênis, que não existe este ou aquele lado, que os grandes nomes precisam participar. Não existe tênis sem Guga, Acioly, Jaime, Meligeni, Saretta, Mello, Alves, Koch, Menezes, Larri, Medrado, Dada, Teliana, Bellucci, promotoras, patrocinadores. O esporte é maior que a pessoa. A união é fundamental e a porta tem que ser aberta pelo presidente;

'É um passo pra trás'; Meligeni lamenta perda do patrocínio dos Correios à CBT

8. Maiores nomes do tênis no Brasil. Graças ao Rio Open e à Olimpíada, tivemos a nata do tênis por aqui. Quando iríamos imaginar ver de perto Djokovic, Murray, Nadal, Serena, Kerber, Vênus, Delpo, entre outros;

9. Argentina campeã da Copa Davis. Que imagem linda. Um país que ama o esporte e várias vezes chegou perto. Ganhou e emocionou. Por três dias, a rivalidade boba foi esquecida e se torceu pelos hermanos. Se torceu pela garra, pela luta e pelo amor à camisa;

Del Potro exalta torcida na conquista histórica da Copa Davis: 'Essa paixão nos torna diferente de todos'

10. O protagonista. Por tudo que lutou e por mostrar a todos o quanto queria jogar tênis, Juan Martín del Potro merece ser a personalidade mais incrível do ano no tênis. Emocionou a todos e mostrou que, quando temos um ideal e fazemos com amor, tudo é possível.

Getty
Del Potro conseguiu uma vitória épica sobre Marin Cilic no domingo
Del Potro conseguiu duas vitórias na decisão e ajudou Argentina a levar a Davis

Feliz 2016. Que o ano de 2017 venha com grandes emoções.