Há pelo menos 20 jogadores que merecem atenção na Summer League da NBA. Veja quem são

Luís Araújo, para o ESPN.com.br
Getty
Ben Simmons, atuando por LSU
Ben Simmons foi a primeira escolha do Draft de 2016

O fã de esporte que já estiver sentindo falta da NBA tem a chance de matar um pouco da saudade com a Summer League (Liga de Verão). O WatchESPN vem exibindo as partidas da competição que reúne novatos selecionados no Draft, calouros que passaram batido no recrutamento, alguns outros jovens que ainda buscam se firmar na liga e veteranos que sonham com o retorno depois de um tempo afastados.

Há pelo menos 20 jogadores que merecem atenção ao longo das próximas semanas justamente por se encaixarem em um destes perfis. Veja a seguir.

Ben Simmons (Philadelphia 76ers)

Ele não só foi escolhido na primeira posição do Draft como chegou a levantar algumas comparações a LeBron James por parte dos especialistas americanos. É claro que o jovem australiano não vai chegar dominando a NBA logo de cara como o craque do Cleveland Cavaliers, mas será interessante vê-lo dando os primeiros passos de uma carreira bastante promissora. Assim como LeBron, Simmons é um ala alto que gosta de ter a bola nas mãos para iniciar as ações ofensivas como se fosse, na prática, um armador. Tem talento e criatividade de sobra para encontrar espaços para pontuar ou para encontrar companheiros em boa posição de arremesso.

Brandon Ingram (Los Angeles Lakers)

É mais um novato que chega à NBA cercado de expectativa e com potencial para virar estrela em um futuro próximo. Há quem diga que o ala selecionado na segunda posição do Draft lembra Kevin Durant. Qualquer comparação a uma dos grandes jogadores da atualidade é sempre prematura, mas Ingram realmente se apresentou no basquete universitário como um pontuador bastante competente, capaz de criar oportunidades para pontuar em jogadas individuais e preciso nos arremessos de longa distância.

Dragan Bender (Phoenix Suns)

É outro novato dando os primeiros passos na trajetória como jogador da NBA. É um jovem de 18 anos que teve pouco espaço no Maccabi Tel Aviv durante a última temporada, mas que tem características muito interessantes. A principal delas é a combinação de tamanho e habilidade para conduzir a bola. Parece um armador no corpo de um jogador de garrafão. Coisa que não se vê tão facilmente assim por aí.

622 aa4c4366 7b68 3e68 9e96 1f095df562fd
Huertas comenta sobre ter virado 'meme' por dribles que levou: 'Dei até risada'

Jimmer Fredette (Denver Nuggets)

Está virando uma das maiores "eternas promessas" dos últimos anos na NBA. Quando foi selecionado na décima posição do Draft de 2011, muita gente esperava que a pontaria certeira nas bolas de longe o transformaria em uma arma ofensiva poderosa, tanto é que sua camisa foi um sucesso de vendas mesmo antes da estreia dele entre os profissionais. As boas atuações e os feitos importantes que registrou por BYU no basquete universitário reforçavam essa ideia, mas nada disso passou perto de se concretizar. Fredette rodou por alguns times, mas nunca conseguiu se firmar. A Summer League é mais uma chance para ele e para quem ainda espera vê-lo um dia se firmando na NBA.

James Young (Boston Celtics)

Selecionado na primeira rodada do Draft de 2014, o ala-armador já disputou duas temporadas da NBA com o Boston Celtics. Ao contrário do armador Marcus Smart, outro jovem que saiu do basquete universitário para se juntar à equipe há dois anos, sofreu para se destacar em meio à forte concorrência no perímetro e participou bem pouco da rotação. Foram apenas 60 jogos disputados ao longo destes dois anos e apenas cerca de 9 minutos de ação por partida. A expectativa é que ele mostre na Summer League uma melhora nos chutes de três, algo que ele andou treinando nos últimos meses e que pode fazê-lo ganhar mais a confiança do técnico Brad Stevens.

Getty
Rators orientaram Bruno Caboclo a fazer 'dieta' de engorda
Raptors continuam esperando que Caboclo desponte na NBA

Bruno Caboclo (Toronto Raptors)

Assim como Young, também foi selecionado na primeira rodada do Draft de 2014 e foi pouco utilizado até agora. Na verdade, as chances para mostrar serviço foram ainda mais raras para o brasileiro, que disputou só 14 partidas nas duas primeiras temporadas na NBA. O ala chegou a passar um tempo na D-League nos últimos meses e terá na Summer League uma nova chance de mostrar alguma evolução.

Cristiano Felício (Chicago Bulls)

Foi justamente a Summer League que serviu de porta de entrada para o brasileiro na NBA. Depois da competição no ano passado, o pivô recebeu o convite para participar da pré-temporada com os Bulls. Ele acabou sendo mantido no elenco, aproveitou os minutos que recebeu para mostrar serviço, ganhou maior espaço na rotação e encerrou o campeonato deixando ótima impressão na equipe. Levando em conta apenas os sete jogos que disputou no mês de abril, Felício teve médias de 7,9 pontos e 5,9 rebotes em pouco menos de 20 minutos por partida. Será interessante acompanhar o que ele fará dentro de quadra um ano mais experiente.

TJ McConnell (Philadelphia 76ers)

Trata-se de um outro jogador que agarrou a chance que apareceu na Summer League de 2015. Depois de ter o nome ignorado no Draft, participou da competição com os Sixers e agradou ao ponto de ser mantido no elenco para a temporada 2015/16. Em um time pouco competitivo e que perdeu mais do que qualquer outro no campeonato, teve minutos para mostrar serviço e acabou recebendo duas indicações na votação dos melhores novatos.

Josh Richardson (Miami Heat)

Foi uma das boas surpresas da última temporada. Quando as lesões começaram a diminuir as opções do técnico Erik Spoelstra durante a reta final da fase de classificação, Richardson foi testado e agarrou a chance que apareceu em grande estilo. Além de entregar uma defesa muito boa no perímetro, teve aproveitamento de 46,1% nas bolas de três. Para se ter uma ideia do quanto esse índice é bom, o desempenho de Stephen Curry foi de 44,4%.

Norman Powell (Toronto Raptors)

Teve uma trajetória bem parecida com a de Richardson. Ganhou espaço maior na ala do time durante a segunda metade da fase de classificação graças às lesões de DeMarre Carroll e Terrence Ross. Teve aproveitamento de 40,4% nos tiros de três pontos e virou peça fundamental para a defesa dos Raptors. Foi eleito o melhor novato da Conferência Leste no mês de abril e continuou sendo bastante útil em alguns momentos durante os playoffs, muitas vezes ajudando a equipe a jogar com uma formação mais baixa.

Getty
Kyle Anderson em ação pelos Spurs
Kyle Anderson em ação pelos Spurs

Kyle Anderson (San Antonio Spurs)

Foi o principal destaque do título do San Antonio Spurs na Summer League de Las Vegas no ano passado e acabou sendo o MVP da competição. A evolução se confirmou com o maior espaço que recebeu na rotação dos Spurs durante a temporada 2015/16 da NBA, coisa que não aconteceu com ele durante o ano de novato na liga. Se esse desenvolvimento dele tiver sequência, é bem provável que ele sobre de novo na competição desta vez.

Jonathan Simmons (San Antonio Spurs)

Outro destaque da campanha dos Spurs na Summer League de Las Vegas do ano passado. Se Anderson foi o MVP da competição, Simmons acabou sendo eleito o melhor da decisão. O desempenho impressionou ao ponto de render um espaço no elenco que quebrou o recorde de vitórias da franquia na temporada 2015/16. Simmons apareceu em 55 partidas, duas delas como titular, e teve médias de 6,0 pontos e 1,7 rebote em aproximadamente 15 minutos de ação por jogo.

Marquis Teague (Dallas Mavericks)

Ficou um ano e meio no Chicago Bulls e teve pouco espaço na rotação da equipe -- mesmo em uma fase na qual Derrick Rose, titular absoluto da posição, estava fora de combate. Teague ainda passou metade de uma temporada no Brooklyn Nets, onde também não conseguiu mostrar serviço. Em outubro de 2014, foi negociado pelo time nova-iorquino com o Philadelphia 76ers, que resolveu dispensá-lo antes mesmo de testá-lo. Depois de passar os últimos meses na D-League, o armador tem na Summer League mais uma chance de tentar convencer os times da NBA de que é bom o suficiente para permanecer por lá.

Phil Pressey (Detroit Pistons)

É mais um jovem armador que ainda tenta se firmar na NBA. Depois de passar batido no Draft de 2013, conseguiu um espaço no elenco do Boston Celtics e ficou por lá até o fim da temporada 2014/15, quando foi cortado. O Philadelphia 76ers chegou a dar uma chance para ele em seguida, mas a experiência se resumiu a 14 partidas. Entre idas e vindas na D-League, chegou a assinar dois contratos de dez dias com o Phoenix Suns em fevereiro. Participou de nove jogos antes de sair de vez.

Marshall Plumlee (New York Knicks)

É irmão caçula de Miles e Mason Plumlee, que jogam no Milwaukee Bucks e no Portland Trail Blazers, respectivamente. Ao contrário dos outros dois, não foi selecionado no Draft da NBA. O nome dele passou batido por todas as 60 escolhas do recrutamento deste ano. Resta ao pivô tentar aproveitar a Summer League para conseguir mostrar que os times cometeram um erro ao deixá-lo escapar. Defendendo Duke na última temporada do basquete universitário, teve médias de 8,3 pontos e 8,6 rebotes por partida.

Getty
Landry Fields em ação pelo Toronto Raptors
Landry Fields em ação pelo Toronto Raptors

Landry Fields (Golden State Warriors)

Em julho de 2012, o ala assinou um contrato de três anos e US$ 20 milhões com o Toronto Raptors. Ao final destas três temporadas, virou agente livre de novo e ninguém mais quis contratá-lo. As várias lesões que apareceram no meio do caminho o atrapalharam bastante. Agora, aos 28 anos, ele tenta provar que ainda tem condições de jogar em alto nível.

Reggie Williams (Oklahoma City Thunder)

É mais um nome experiente que busca voltar à NBA. O ala-armador de 29 anos já defendeu Golden State Warriors, Charlotte Bobcats, Oklahoma City Thunder e San Antonio Spurs, onde disputou 20 jogos na temporada 2014/15. Depois disso, teve passagem pelo basquete russo.

Greg Stiemsma (Los Angeles Clippers)

O pivô de 30 anos tenta se firmar na NBA desde 2008, quando passou batido pelo Draft. Rodou pela Turquia, Coreia do Sul e pela D-League antes de o Boston Celtics finalmente oferecer uma chance para ele em 2011. Em seguida, rodou por Minnesota Timberwolves, New Orleans Pelicans e Toronto Raptors, onde foi um dos concorrentes do brasileiro Lucas Bebê por um espaço na rotação do garrafão. Em setembro, ele chegou a assinar com o Orlando Magic, mas sofreu uma lesão no tendão de Aquiles ainda na pré-temporada, o que atrapalhou os planos para a sequência da carreira.

Erazem Lorbek (San Antonio Spurs)

O ala-pivô esloveno tem uma carreira consolidada no basquete europeu. Na NBA, porém, é mais conhecido por ser uma das peças que o Indiana Pacers mandou ao lado de Kawhi Leonard para o San Antonio Spurs na noite do Draft de 2011. Depois de tanto tempo, enfim chegou a vez de ele começar a mostrar serviço na liga americana e tentar se mostrar útil para os planos de Gregg Popovich. 

Yanick Moreira (Toronto Raptors)

O pivô angolano de 24 anos chamou a atenção no Mundial de 2014, tendo ficado entre os dez primeiros na lista de pontos e de rebotes da competição. Depois de não ter sido escolhido no Draft do ano passado, ele disputou a Summer League com o Los Angeles Clippers, mas não permaneceu e passou a última temporada na Europa. Agora, com os Raptors, tem uma nova oportunidade de tentar cavar um espaço na NBA. 

Siga aESPNnas redes sociais