Mauro Cezar Pereira

Mauro Cezar Pereira

Jornal mostra que Corinthians gasta demais, Fla paga dívidas e vira o jogo no campo das finanças

Mauro Cezar Pereira, blogueiro do ESPN.com.br

O jornal Valor Econômico trouxe nesta segunda-feira, dia 13 de abril, matéria sobre a situação financeira dos dois clubes mais populares do futebol brasileiro. "Flamengo aumenta receita e reduz dívida" é o título do texto de Robson Sales. Ele mostra que em 2014 os rubro-negros superaram o Corinthians. "O clube carioca apresentou um crescimento de 27% na receita bruta, somando R$ 347 milhões, segundo relatório obtido pela publicação. Já o time paulista, ao contrário, teve queda de 12% na receita total, em relação ao ano anterior, atingindo a marca de R$ 258 milhões, de acordo com o balanço divulgado em fevereiro pela diretoria de finanças", resume.

A reportagem lembra que os clubes têm até o final de abril para apresentar balanços do ano passado, mas antecipa o que deverá ser anunciado a partir de consultorias esportivas ouvidas. Elas apontam que nenhum outro clube amortizou suas dívidas como o Flamengo, dando passo importante para deixar de ser o mais endividado do país com cerca de R$ 760 milhões entre débitos trabalhistas e fiscais, de acordo com a agência BDO. E afirma que os dirigentes da Gávea acertaram ao priorizarem o ataque aos débitos com o governo, com uma redução de R$ 138 milhões desde 2013, primeiro ano do mandato do atual presidente, Eduardo Bandeira de Mello.

Divulgação/Flamengo
Eduardo Bandeira de Mello, presidente do Flamengo desde 2013, em entrevista
Eduardo Bandeira de Mello, presidente do Flamengo desde 2013, durante entrevista

O Valor Econômico destaca a "posição confortável" dos flamenguistas ante a nova medida provisória da renegociação das dívidas dos clubes de futebol. Os consultores prevêem, inclusive, que mesmo sendo o líder do ranking de dívidas por anos, ficará em pé de igualdade com os demais por já ter iniciado o pagamento de suas pendências com a União. Hoje o marketing rubro-negro responde por 35% da receita, com o dinheiro da televisão equivalendo a 33%, acrescenta a reportagem. Já o Corinthians, destaca o jornal, ampliou sua dependência financeira da verba oriunda da TV para 43% no ano passado. Importante: ela era de 32% em 2013.

Gazeta Press
Roberto de Andrade (centro) fala ao ser eleito o novo presidente do Corinthians, em fevereiro
Roberto de Andrade (centro) fala ao ser eleito o novo presidente do Corinthians, em fevereiro

A consultoria aponta como "aposta errada" dos alvinegros o aumento dos gastos com o futebol "acima da taxa de expansão das receitas", demonstrando maior preocupação com o resultado dentro do campo, do que fora dele. O Flamengo foi na contramão, cortando despesas e trabalhando seu relacionamento, construindo nova imagem de clube mais transparente e com governança. O objetivo é equilibrar as contas até o ano que vem. Se adequando à MP do governo, na semana passada o conselho deliberativo aprovou a lei de responsabilidade fiscal do clube — clique aqui e leia post a respeito.

Os dois clubes de maior torcida no Brasil seguem em caminhos nitidamente opostos. Qual deles você gostaria que o seu clube adotasse?