Tempo Real

  • Atlético Mineiro
  • Atlético Paranaense
  • Bahia
  • Botafogo
  • Chapecoense
  • Corinthians
  • Coritiba
  • Criciúma
  • Cruzeiro
  • Figueirense
  • Flamengo
  • Fluminense
  • Goiás
  • Grêmio
  • Internacional
  • Palmeiras
  • Santos
  • São Paulo
  • Sport
  • Vitória
  • ABC
  • América Mineiro
  • América RN
  • Atlético Goianiense
  • Avaí
  • Boa Esporte
  • Bragantino
  • Ceará
  • Icasa
  • Joinville
  • Luverdense
  • Náutico
  • Oeste
  • Paraná
  • Ponte Preta
  • Portuguesa
  • Sampaio Corrêa
  • Santa Cruz
  • Vasco
  • Vila Nova
  • Arsenal
  • Atlético de Madri
  • Barcelona
  • Bayern de Munique
  • Benfica
  • Borussia Dortmund
  • Chelsea
  • Internazionale
  • Juventus
  • Lazio
  • Liverpool
  • Tottenham
  • Manchester City
  • Manchester United
  • Milan
  • Napoli
  • Porto
  • Paris Saint Germain
  • Real Madrid
  • Roma

Agência Estado
Mário Gobbi, presidente do Corinthians
Mário Gobbi, presidente do Corinthians
Foi surpreendentemente lamentável a entrevista do presidente do Corinthians, Mario Gobbi, sobre o episódio envolvendo a morte do garoto boliviano Kevin Douglas Beltrán Espada durante a partida contra o San Jose, pela Copa Libertadores.

Gobbi, logo em uma das suas primeiras respostas, praticamente tratou de absolver o autor do "disparo" por pura suposição. Resumindo, só porque não havia uma briga clara entre as torcidas. 

Tivesse dito apenas que é preciso partir da presunção de inocência, vá lá. Mas não foi o que fez o dirigente (e delegado de polícia!) ao elencar os motivos pelos quais, supostamente e no seu torto raciocínio, o artefato que matou o garoto não foi disparado voluntariamente.

Motivos, aliás, patéticos para quem já foi a um estádio de futebol no meio de torcidas organizadas. Onde os torcedores não raro apontavam fogos de artifício para a torcida adversária, sim (isso antes de serem separados por quilômetros de distância). Mesmo que não hauvesse uma briga formada.

Não dá pra culpar e dizer que houve intenção do(s) torcedor(es) enquanto as investigações não avançarem, mas também não dá para fazer o contrário, como fez Mario Gobbi no início de sua entrevista.

Além de lamentar, desvincular o Corinthians da atitude de seu torcedor, nessa hora, seria uma linha aceitável. Algo como “o Corinthians lamenta o ocorrido, dará todo o suporte para a família do garoto, mas espera as investigações e, se for o caso, a justa punição dos culpados”.

Seria digno e simples.

Da maneira como se apresentou Gobbi, pelas declarações e respostas que deu ou que não deu, teria sido melhor o Corinthians se restringir a um comunicado ou um pronunciamento em vídeo no seu site, e não marcar uma entrevista coletiva de seu presidente.

Para falar tanta abobrinha (que, justiça seja feita, ele até tentou corrigir no final da coletiva), era melhor ter ficado calado.

ATUALIZAÇÃO: veja baixo o vídeo divulgado por uma televisão boliviana um dia após as declarações de Gobbi.
Mídia boliviana flagra possível momento do lançamento de sinalizador que matou torcedor do San José