Opinião: A idade deixou de ser um limitador na vida dos jogadores de esports

Bryce Blum/ESPN.com
ESPN
'Está na hora de aposentarmos o mito de que a carreira de um profissional de esports fica limitada quando ele atinge seus vinte e poucos anos'
'Está na hora de aposentarmos o mito de que a carreira de um profissional de esports fica limitada quando ele atinge seus vinte e poucos anos'

Análise originalmente publicada na ESPN Esports.

Há uma linha de pensamento presente nos esports que a vida útil de um jogador profissional é breve - os jogadores atingem seus vinte e poucos anos, perdem seus reflexos e resistência mental, e tudo é declínio a partir daí... ou algo do gênero.

Essa percepção parece lógica, e certamente há evidências anedóticas suficientes para explicar por que esse mito é muitas vezes tomado como realidade. Afinal, a maioria dos profissionais de esportes eletrônicos está no final da adolescência ou no início da casa dos vinte anos. Mas estou longe de estar convencido.

Não me interpretem mal, acredito que a idade desempenha um papel na longevidade das carreiras nos esportes eletrônicos. Dito isto, o período relativamente curto de carreira dos profissionais de esports até o momento é produto de muitos fatores, sendo a idade apenas um deles. Uma maior longevidade dos jogadores está no horizonte.

A transição aos grandes negócios

A indústria de esports ainda está no início. Os principais torneios organizados de jogos como Quake, Counter-Strike e Warcraft aumentaram a proeminência na década de 1990. Mesmo assim, a economia relacionada a tais eventos foi insignificante em comparação à situação atual quanto aos salários dos jogadores, patrocínios, prêmios e afins.

Com poucas exceções, a carreira de um jogador profissional antes de 2013 foi construída quase que exclusivamente pela paixão. Hoje, essa paixão é acompanhada de um sonho de riqueza, fama e todas as armadilhas que a acompanham.

Um jogador de esports de nível superior ganha facilmente um salário digno; muitos ganham bem acima disso, e alguns estão até mesmo atingindo os sete dígitos. O advento das ligas franqueadas e dos órgãos de representação dos atletas também está ajudando a impulsionar os padrões da indústria em relação ao bem-estar dos competidores.

Com esses desenvolvimentos, o jogo mudou fundamentalmente. Jogar esports profissionalmente não é mais viável para aqueles sem os compromissos financeiros que acompanham a progressão natural da idade - isto é, famílias e filhos - ou para aqueles dispostos a fazer grandes sacrifícios econômicos na busca da carreira que amam.

As oportunidades de carreira se multiplicam

Não só existe maior potencial de ganhos para jogadores profissionais, mas também há maior potencial de carreira.

Antes do surgimento dos esports, ser um jogador profissional não era exatamente um caminho ideal para futuras oportunidades de carreira. Como tal, a pressão do planejamento para a vida após o jogo competitivo geralmente fez com que os atletas profissionais deixassem a indústria. Contudo, conforme a indústria cresceu, também aumentou o número e os tipos de funções disponíveis para aqueles que passaram anos jogando videogames para ganhar a vida.

O atual chefe de esports no Facebook é Stephen "Snoopeh" Ellis, um antigo jogador profissional de League of Legends; uma posição similar no YouTube é preenchida por Ryan "Fwiz" Wyatt, um ex-profissional de Call of Duty.

Um jogador profissional que deseja a transição para o lado comercial da indústria agora pode encontrar um emprego como treinador, proprietário de equipe, executivo, apresentador ou streamer em tempo integral, ou mesmo assumir um cargo relacionado aos esports em uma grande empresa ou startup.

Idade é apenas um número

Todos ouvimos o argumento de que os reflexos diminuem com a idade, limitando assim o sucesso profissional em curso. Embora isso seja um pouco intuitivo, não há evidências científicas confiáveis em torno do tipo de reações necessárias para competir em um determinado jogo, e muito menos como essas reações são afetadas pelo tempo.

Para todas as evidências anedóticas de que o desempenho do jogador se deteriora ao longo do tempo, há uma abundância de fatos que dizem o contrário. Yiliang "Doublelift" Peng da Team SoloMid ainda é amplamente considerado o atirador mais talentoso da América do Norte, e é o jogador mais antigo em sua posição na LCS NA.

Há também a equipe Virtus.pro de Counter-Strike que inclui vários jogadores na faixa dos trinta anos, recém recuperada da derrota para a SK Gaming nas grandes finais do EPICENTER 2017.

Além disso, a carreira de um jogador esports pode evoluir da mesma forma que a de um atleta esportivo tradicional. No início das carreiras de Michael Jordan e Kobe Bryant, eles conseguiram dominar seus oponentes em parte devido ao esmagador atletismo. Porém, à medida que envelhecem, seus jogos evoluíram - eles aprenderam a chegar na cesta, a criar espaço e muitos outros movimentos veteranos que os permitiram prosperar enquanto suas habilidades físicas diminuíam.

O mesmo pode ser verdade em esports. Um jogador antes dominante em termos de mecânica desenvolverá naturalmente outras habilidades ao longo de sua carreira - liderança, senso de jogo e outras perícias - o que os tornará valiosos, mesmo que algumas outras habilidades diminuam com a idade.

Conclusão

Está na hora de aposentarmos o mito de que a carreira de um profissional de esports fica limitada quando ele atinge seus vinte e poucos anos. Evidentemente, a idade média dos jogadores profissionais em 2017 se inclina nessa direção. Porém, estes dados são muito mais reflexivos sobre a imaturidade relativa da indústria do que das barreiras inerentes à longevidade da carreira.

Os profissionais de esports vão jogar profissionalmente por mais e mais tempo à medida em que a indústria evolui. Apenas dê tempo ao tempo.

Este artigo foi produzido com a ajuda da advogada de lei de esportes e jogos eletrônicos Krista Hiner.