Opinião: As mudanças no All-Star tornaram o evento mais divertido, não necessariamente mais competitivo

Kelsey Moser/ESPN.com

Riot Games
Evento do All-Star 2016 em Barcelona
Evento do All-Star 2016 em Barcelona

Durante muitos anos, a Riot Games forçou a ideia de que a competitividade e o entretenimento se contradizem naturalmente. Isso dificultou a análise minuciosa de muitos de seus anúncios e obscureceu o raciocínio por trás de suas decisões.

Em outubro passado, a empresa publicou uma atualização de formato do torneio All-Star que começou com um tom surpreendente. "O evento All-Star volta em dezembro — mais competitivo do que nunca", dizia.

Emparelhado com o anúncio feito apenas quatro dias antes de que a LCS da América do Norte voltará a ter partidas melhor de um em 2018, a mudança do All-Star deixou uma mensagem muito confusa. Afinal, de acordo com Riot, a principal motivação para alterar a LCS foi priorizar o entretenimento do fã sobre o melhor de três, um formato que ela considera mais competitivo.

A realidade da mudança de formato do All-Star, no entanto, é que ela não torna o evento mais competitivo - e não deveria. Ela torna All-Stars mais divertido cortando algumas das coisas desnecessárias adicionadas ao longo dos anos e dando aos espectadores mais do que eles querem: seus jogadores favoritos disputando em seu jogo favorito sem enrolações.

O All-Star 2017 ainda utiliza o voto popular para selecionar jogadores para representar cada região. Ele ainda ocorre na estranha janela da offseason, na qual os jogadores aproveitam a oportunidade para descansar e visitar a família ou analisar novas oportunidades. Os fãs ainda votarão em seus jogadores favoritos ao invés daqueles que performaram melhor durante todo o ano. Como sempre, os escolhidos parecem ter chegado ao topo com base em uma combinação de resultados no Mundial e de personalidades de transmissão.

Uma parte dos fãs pode ter decidido votar de forma diferente, com base nas palavras e no modo com que a Riot colocou a mudança, mas os resultados das votações sugerem o contrário. Por exemplo, a "campanha" no Reddit entre Weldon Green e Tristan "PowerOfEvil" Schrage foi mais sobre jogo de palavras e espetáculo do que sobre noção absoluta de habilidade. O MVP de toda a LPL, conforme decidido por um painel no LPL Awards deste ano, Liu "xiaohu" Yuanhao, não representará a região no All-Stars por causa da maior popularidade de seus companheiros de equipe, Jian "Uzi" Zihao e Liu "Mlxg" Shiyu.

Quanto ao velho tema "Fogo vs. Gelo" que complicava o formato, ele apenas deixava o evento mais estranho, com jogadores de diferentes regiões unidos de acordo com uma divisão arbitrária da LMS, LPL e EU vs. LCK, NA e IWC. Mas eliminá-lo também não parece uma decisão feita puramente para melhorar a competitividade do torneio.

A inclusão de vagas adicionais para regiões emergentes (este ano, a GPL, a TCL e o CBLoL All-Stars terão representantes em vez de apenas uma equipe "IWC") torna mais difícil criar divisões Fogo vs. Gelo, e também reduz o tempo para modos de jogo supérfluos. Se mais equipes precisam jogar na fase de grupos principal e nas chaves, continuar com o modo King Poro estenderá desnecessariamente um torneio curto.

Riot Games
Soren 'Bjergsen' Bjerg e Lee 'Faker' Sang-hyeok no All-Star 2015
Soren 'Bjergsen' Bjerg e Lee 'Faker' Sang-hyeok no All-Star 2015

O LoL também pode ter simplesmente superado o Fogo vs. Gelo. O tema apareceu pela primeira vez quando Game of Thrones e a Riot começaram uma parceria em 2014 no evento híbrido de All-Star e Mid-Season Invitational, mas não tocaram o evento principal do torneio até 2015, quando ambos se dividiram. Até agora, não há menções de George RR Martin em informações do evento de 2017, como houve nos anúncios anteriores dos All-Stars.

A remoção dessas complicações torna o All-Star mais direto, e talvez, nos olhos de Riot, isso o faça mais competitivo. Mas o que ela realmente faz é simplificar o evento para torná-lo mais atraente aos espectadores.

De acordo com os dados do Esports Charts do All-Star Barcelona 2016, nenhum dos "modos de jogo especiais" estava entre as partidas com pico de visualização (não incluindo a audiência chinesa, que muitas vezes tem números relatados não confiáveis). A partida final de Fogo vs. Gelo (apesar de misturar jogadores de regiões em equipes, ela ainda foi o ponto culminante do evento com o padrão 5v5 em uma série MD5), o torneio 1v1 e as partidas entre times de diferentes regiões ficaram entre as cinco disputadas mais vistas.

Se os dados forem confiáveis, os modos "divertidos" não estavam alcançando os números do modo “padrão” de Summoner’s Rift ou do excitante torneio 1v1. É sensato, então, que a Riot mantenha os modos que trazem a maioria dos espectadores e elimine o resto.

De alguma forma, no entanto, a noção de que a Riot fez a mudança no formato para melhorar a competitividade continua confusa. Todas as alterações feitas fazem sentido de uma perspectiva de entretenimento para tornar o evento mais holístico e satisfatório, um problema que existia desde a sua criação. Não é necessário confundir eficiência com competitividade.

Embora o All-Star não seja uma competição “tryhard” e não tenha sido criada como tal, a Riot criou um estranho diálogo entre competição e entretenimento. Ela argumentou que adicionar a dupla eliminação ou introduzir duas séries de jogos ou melhor de três para a Fase de Grupos no Mundial diminui o entretenimento a favor da competição. Historicamente, no entanto, este relacionamento não foi extremamente provado.

Enquanto a Riot alegou, por exemplo, que o melhor dos três diminuiu o engajamento de fãs na LCS NA com base em sua pesquisa, colocar uma MD5 nas semifinais e quartas de final em eliminatórias da LCS forneceu séries longas e de ida e volta que certamente poderiam ser consideradas divertidas. Talvez seria melhor se a Riot parasse de utilizar esses rótulos em seus futuros anúncios e decidisse por algo mais direto, como "audiência" ou "rigor de formato" para evitar se contradizer ou criar uma mensagem que seja confusa.

Afinal, as mudanças de formato do All-Stars em papel são boas para o tipo de evento que sempre prometeu ser: um evento de baixo estresse que mostra jogadores populares disputando um jogo que os fãs já amam no contexto de rivalidades inter-regionais. Esperançosamente, isso é o que todos podem aguardar esta semana.