Marquinhos destaca liderança, mas pede mais concentração ao PSG

Gazeta Press
GettyImages
Marquinhos, do PSG, na marcação de Ribery, do Bayern, nesta terça
Marquinhos, do PSG, na marcação de Ribery, do Bayern, nesta terça

O zagueiro Marquinhos deixou o estádio Allianz Arena, em Munique, ciente de que o Paris Saint-Germain precisa melhorar se quiser conquistar a Liga dos Campões da Europa. Depois de perder a invencibilidade no Campeonato Francês no sábado, o PSG caiu na Alemanha diante do Bayern de Munique por 3 a 1 nessa terça e, graças ao saldo de gols no confronto direito, avançou às oitavas de final na liderança do Grupo B.


“O nosso objetivo a gente conseguiu. Claro que com um resultado que a gente não queria. Tem que ver a força que eles têm dentro de casa, assim como temos a nossa força dentro da nossa casa. Em um contexto geral, a gente tem de estar tranquilo, trabalhar para crescer e vir forte nas próximas fases”, analisou o jogador em entrevista ao Esporte Interativo.

Dominado na parte do tempo na Alemanha, a equipe francesa também não teve Neymar, seu principal atleta, em noite inspirada. Para Marquinhos, que no segundo tempo ganhou um novo parceiro de zaga por causa de uma lesão sofrida por Thiago Silva, o PSG tem de entrar em campo mais concentrado do que fez nessa terça.

“A gente sabe que quando o coletivo está forte as individualidades vão sair. Temos de frisar bem no coletivo, na parte tática, principalmente contra uma equipe forte como essa (Bayern), ter o máximo de concentração possível dentro de campo, porque é um detalhe que falhamos e eles marcam o gol. É só frisar nisso, estar muito bem postado, que a qualidade vai se sobressair”, opinou.

No fim do jogo do PSG, Marquinhos vai para a área, leva cabeçada e sai sangrando; veja

Para finalizar, Marquinhos foi questionado sobre o Bayern de Munique ter demonstrado antes do confronto com o Paris Saint-Germain que, independente de se classificar em segundo no grupo, o jogo dessa terça serviria para mostrar a força do time bávaro dentro da Liga dos Campeões.

“Eles têm de pensar no futebol deles, a gente pensa no nosso. O que a gente pode melhorar, fazendo dentro de campo. Eles têm toda sua força, viam em um momento difícil, mas ainda tem muita coisa para acontecer na Champions, a gente já viu equipes que começam mal e terminam bem”