Bronze em 2016, Poliana Okimoto diz que se decepcionou com pós-Olimpíada: 'Não recebemos o reconhecimento'

Gazeta Press
Getty Images
Poliana Okimoto celebra o bronze na maratona aquática
Poliana Okimoto celebra o bronze na maratona aquática


Poliana Okimoto irá deixar de competir profissionalmente após o desafio Rei e Rainha do Mar deste final de semana. A atleta de 34 anos se aposenta realizada profissionalmente por uma carreira com várias conquistas importantes, como o bronze olímpico de 2016 e o ouro no Mundial aquático de 2013 em Barcelona, e com a certeza de que deixou um enorme legado para o esporte aquático brasileiro.

No entanto, a importância da primeira mulher brasileira a conquistar uma medalha olímpica parece ainda não ter seus méritos reconhecidos. Após o bronze vencido no Rio de Janeiro, a nadadora paulista criou a expectativa de uma mudança radical em sua vida, porém não foi o que aconteceu na prática.

“Não recebemos o reconhecimento merecido pela Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos, não conseguimos um novo patrocinador, acabamos até mesmo perdendo um que já tínhamos sem nem receber uma satisfação da empresa, perdemos a nossa equipe de apoio para ela. Tudo isso causa uma desmotivação natural e não dificulta muito as chances dela de brigar por um ouro ou uma prata em Tóquio”, declarou o marido e treinador de Poliana, Ricardo Cintra.

Além da falta de apoio e reconhecimento, o companheiro da nadadora cita os treinamentos desgastantes e a falta de descansos para explicar a decisão da esposa.”Após as Olimpíadas nós precisávamos de um descanso, já que estamos juntos há 14 anos disputando e treinando ininterruptamente. Sem contar o que ela já havia fazendo antes. Ela com 34 anos tem 32 dedicados a natação. Isso desgasta muito. Somado a isso você tem a pouca motivação, já que ela conquistou tudo o que já era possível para ela conquistar”, avaliou o técnico.

A falta de motivação para continuar é confirmada pela atleta. Com uma medalha olímpica, quatro conquistas em mundias e dois pratas em Pan Americanos, Poliana pode dizer que realizou tudo o que sonhava em sua trajetória nas águas.

“Felizmente posso dizer que já conquistei tudo o que eu pensei e queria na minha carreira. Então dentro de mim eu tenho um sentimento de missão cumprida. Para mim parece que o meu ciclo se encerrou. Acho que tudo o que eu tinha para fazer pela natação eu fiz e muito bem feito” analisou a nadadora.