À espera de Manuela, Fabiana Murer se dedica à rotina de fisioterapeuta e dirigente

Bianca Daga, do espnW.com.br

Reprodução/Instagram
Fabiana Murer trabalha como fisioterapeuta em seu Instituto, o INSPORT
Fabiana Murer trabalha como fisioterapeuta em seu Instituto, o INSPORT

Você sabia que Fabiana Murer é formada em fisioterapia e fez curso de especialização em Aparelho Locomotor no Esporte? E a campeã mundial de atletismo retomou sua profissão quando encerrou sua carreira nas pistas, depois dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro-2016. E sua nova rotina também inclui um cargo de gerente institucional no clube que defendia (antigo BM&FBOVESPA e agora equipe B3 de atletismo) e os preparativos para a chegada de sua primeira filha, Manuela, em dezembro.

“Quando eu comuniquei que ia parar, o clube me convidou para continuar como dirigente, uma espécie de madrinha. Cuido dos atletas, fazendo a interação entre eles e os agentes de fora para entrarem nas competições internacionais e também a comunicação entre clube, COB (Comitê Olímpico do Brasil), COI (Comitê Olímpico Internacional) e a IAAF (Federação Internacional de Atletismo). E às vezes vou na pista e dou uns palpites (risos)”, contou ao espnW.

A fisioterapia voltou para a vida de Fabiana Murer em março, quando ao lado de profissionais que lhe ajudaram durante sua carreira de atleta ela criou o INSPORT, Instituto de Saúde, Prevenção, Ortopedia, Reabilitação e Treinamento. Além dela, cuidam do projeto seu marido e ex-treinador, Elson Miranda, um médico, outros dois fisioterapeutas e profissionais de massagem, nutrição e pilates.

E o Instituto oferece o Método Murer de Prevenção e Treinamento. “São exercícios que eu mesma fazia durante meus treinamentos, e que me ajudaram a ter pouquíssimas lesões e logevidade na carreira. Trabalhamos postura, força e mobilidade muito mais para atletas amadores e atividades cotidianas, às vezes alguém que tem hérnia e quer amenizar a dor.

“Melhoramos a qualidade de vida. Alguns usam só o peso do corpo, mas também elásticos, amplitude total de movimento e alongamento. Em um mês, fazemos mais ou menos 700 atendimentos. Passam pelo instuto gente de toda idade, de crianças a idosos. Alguns exercícios consigo demonstrar, outros pelo ajuda agora, por conta da barriga (risos).”

Bem diferente de sua rotina nas pistas, treinando e competindo, agora Fabiana Murer lida com pessoas e com o computador. Passa a maior parte do dia no INSPORT e dois dias por semana no clube. A ex-atleta se manteve ativa durante a gravidez e até três semanas atrás ainda corria. Agora, aos oito meses de gestação, apenas caminhada e atividades do Método Murer.

“A rotina está mais corrida. Quando eu era atleta, descansar fazia parte do treino. Agora, não paro o dia todo. Acordo mais cedo, abro o instituto às 7h e fecho só às 21h. Estou gostando dessa nova fase de ajudar as pessoas.”

E sente falta de estar nas pistas? “Eu já tinha decidido parar há muito tempo. Sabia que este seria meu último ano. Quis parar no auge, com minha melhor marca, satisfeita com tudo o que construi no esporte. Assisti o Mundial (de Londres, em agosto) da arquibancada e foi tranquilo. A saudade que sinto do atletismo é da sensação de fazer um salto. Mas não para competir... só um, qualquer dia, sabe? Mas quanto penso no quanto precisaria treinar para conseguir, desisto (risos).”

Fabiana Murer conquistou quatro medalhas em Mundiais indoor e outdoor – duas de ouro, uma de prata e uma de bronze -, três em Jogos Pan-Americanos e duas edições da Diamond League (2010 e 2014). Em seu último ano como atleta, bateu o próprio recorde sul-americano (4,87 m) e terminou como a segunda melhor atleta do ranking mundial da IAAF, somando 11 temporadas consecutivas no top 10 do salto com vara feminino.