Mancha diz que Galiotte acusou Cuca, e seria liberada no CT em caso de derrota

Gazeta Press

Conselheiro do Palmeiras e membro de organizada, Paulo Serdan divulga vídeo com duras críticas a Galiotte

O Palmeiras está em guerra com sua torcida organizada. Após os protestos do último domingo, o presidente Maurício Galiotte assinou um comunicado oficial, divulgado no site do clube, informando que foi feito um Boletim de Ocorrência para que seja instaurado um inquérito sobre a violência da manifestação, e rompendo completamente as relações da equipe com os uniformizados. Já nesta tarde, Paulo Serdan, conselheiro do Palmeiras e membro da diretoria da Mancha Alviverde, fez duras críticas ao mandatário.

Em transmissão ao vivo por meio de suas redes sociais, Serdan questionou o rompimento de Galiotte com as torcidas organizadas, afirmando que o presidente cogitou liberar o acesso dos uniformizados aos atletas em caso de derrota para o Flamengo, no último domingo. Além disso, o conselheiro disse que o presidente teria feito uma acusação ao técnico Cuca, demitido há cerca de um mês.

“Na quarta-feira, quando a gente perdeu para o Vitória lá na Bahia, eu mandei um texto para você (Galiotte), não mandei? Quase 1h da manhã, falando do Egídio, falando do treinador, falando que ele colocou um moleque de 17 anos (Fernando), que nunca tinha nem viajado com a delegação, para jogar. E você respondeu o quê? “Vamos falar no clube amanhã”. Não foi isso que você falou para mim? E eu não fui no clube para a gente conversar? Lá no clube, você assumiu a sua incompetência, assumiu para mim os seus erros. Você não falou para mim que o Cuca ligou para dois jogadores do Palmeiras para eles não jogarem contra o Corinthians? Você não falou que tem a gravação disso aí? Por que você não solta isso para a imprensa, Maurício? Você quer o quê? Quer denegrir a imagem da torcida?”, disse Serdan, antes de abordar a liberação ao CT.

“Na conversa, eu sugeri para você que deixasse entrar uns quatro ou cinco da Mancha para conversar com os jogadores. Não foi isso? Ninguém pediu p… nenhuma, eu sugeri isso para você. E o que você respondeu? Você respondeu que iria esperar o resultado de domingo (contra o Flamengo), que se fosse uma desgraça você ia ter que tomar uma atitude, aí iria liberar para a gente conversar. Não foi isso que você falou, Maurício? Então por que agora você está insinuando coisa nessa nota oficial?”, emendou.

No domingo, em protesto na Academia de Futebol, antes da partida contra o Flamengo, um torcedor atirou uma pedra na van que levava profissionais do clube, e no ônibus que transportava os atletas ao estádio. Um dos vidros se partiu e estilhaços atingiram a nutricionista da equipe, Alessandra Favano, o atacante Keno e o goleiro Jailson. Serdan, no entanto, afirmou que a manifestação foi pensada para ser pacífica.

"O protesto foi feito sem a intenção de violência. Bateram no vidro e ele estourou, infelizmente, mas não foi uma coisa premeditada. Se fosse, os caras tinham apedrejado o ônibus. E outra, por que o time correu pra c…? Por que o Dudu marcou pra caramba? Por que que só ontem ele colocou o Felipe Melo para jogar? Quando eu te perguntei do Felipe Melo, você falou: “nem eu quero que o Felipe Melo vá embora”. Então por que você não colocou o dedo antes para o cara jogar? […] Tinha que jogar banana, sim, tinha que jogar pamonha, pipoca, milho… É o que vocês merecem. Você e o Mattos merecem mais que os jogadores. Não vem agora dar uma de Paulo Nobre, não”, acrescentou Paulo Serdan.

Nicola vê divisão no grupo do Palmeiras em relação ao torcedor: 'A Mancha não representa os 27 mil'


Por fim, Serdan rechaçou qualquer possibilidade de as manifestações da Macha Alviverde estarem ligadas à posições políticas do clube. “Se eu estiver ferindo o estatuto do clube e vocês quiserem me expulsar do Conselho, podem me expulsar. Seja correto. Você quer aparecer em cima da Mancha soltando nota? Fica falando para os outros: “Essa nota que a Mancha soltou não tem dedo do Mustafá, não?” Dedo da casa do c… Não tem dedo de Mustafá, de Paulo Nobre, não tem política no meio, não”.