ONU aprova trégua olímpica para Jogos de Inverno da Coreia do Sul

Agência EFE

Getty
Chama olímpica chega à PyeongChang, Coreia do Sul, para os Jogos de Inverno
Chama olímpica chega à PyeongChang, Coreia do Sul, para os Jogos de Inverno

A Assembleia Geral da ONU aprovou nesta segunda-feira uma resolução que cobra que os países respeitem uma trégua olímpica durante os Jogos de Inverno de 2018, que serão realizados na cidade de Pyeongchang, na Coreia do Sul.

A ONU acredita que o evento é uma oportunidade para construir um mundo "melhor e mais pacífico", e por isso pediu a todos os países para que respeitem a trégua, uma tradição da antiga Grécia recuperada pela primeira vez na era moderna na edição de Barcelona, em 1992.

A trégua - ou paz olímpica - é um período de armistício que começa sete dias antes dos Jogos Olímpicos e termina uma semana depois de seu encerramento. Neste período, os países devem evitar medidas que limitem a participação de atletas.

O presidente da Assembleia Geral das Nações Unidas, Miroslav Lajcak, admitiu nesta segunda que "é evidente que o esporte, por si só, não vai parar uma guerra", mas afirmou que o futebol "garante a paz melhor do que uma arma, porque constrói, em vez de destruir, e une as pessoas, em vez de mandá-las para longe para lutarem por suas vidas".

A patinadora e medalhista olímpica coreana Kim Yuna, embaixadora da boa vontade dos Jogos de Pyeongchang, lembrou na assembleia que quando tinha 10 anos descobriu o que significava "o espírito e o poder dos Jogos Olímpicos".

"Naquela época, vi as delegações da Coreia do Norte e do Sul desfilarem juntas no estádio olímpico", contou Yuna, ressaltando que gostaria de "voltar a ver" a cena acontecer.

A Assembleia Geral das As Nações Unidas aprovou a resolução "O esporte para o desenvolvimento e a paz: construção de um mundo pacífico e melhor por meio do esporte e do ideal olímpico", na qual pede aos países para que respeitem a trégua olímpica.

A ONU quer que eles "garantam em particular o deslocamento, o acesso e a participação em condição de segurança dos atletas e funcionários" que irão ao evento.

A Assembleia Geral reconhece o papel que o esporte e os Jogos Olímpicos e Paralímpicos têm em "promover os direitos humanos" e agradece o papel dos atletas que lutam pelo "entendimento humano mediante o esporte e o ideal olímpico".