Fim estrelado: "O Keyd me transformou em um ótimo jogador", comenta esA sobre despedida

Daniela Rigon/ESPN.com.br

Riot Games
esA deseja seguir jogando na posição de suporte em League of Legends
esA deseja seguir jogando na posição de suporte em League of Legends

Um dos nomes mais antigos do cenário brasileiro de League of Legends, André "esA" Pavezi está de mudança. Após pouco mais de dois anos, o jogador anunciou sua saída do Vivo Keyd e, apesar de ainda não ter um destino certo, se mostra confiante com o futuro.

Em conversa com o ESPN Esports Brasil, esA fez um pequeno balanço de sua passagem pelo "time estrelado" e se diz muito grato por tudo que aprendeu na organização. "Entrei no Keyd em 2015, na segunda etapa, e sempre fui bem acolhido. Eu era um jogador de SoloQ e inexperiente, então [o Keyd] me apoiou muito bem, me transformou em um ótimo jogador e me ajudou a evoluir como pessoa", afirma.

Para esA, o ano mais marcante em sua carreira foi o de 2016, principalmente na primeira etapa. "Joguei muito bem a primeira etapa e fui considerado o melhor jogador do Brasil", lembra. "Fizemos um bootcamp na Europa com a line-up. Não estávamos nem perto de ser um 'dream team', mas conseguimos chegar na final como favoritos e estávamos muito fortes".

Entretanto, mesmo com todo o investimento do Keyd em mais um bootcamp, nessa vez na Coreia do Sul, os resultados não vieram. Na verdade, pioraram. "Em 2017, foi o ano em que tudo explodiu", lamenta o jogador. "O Keyd quis montar um 'dream team' que acabou não dando certo, e não excedemos a expectativa do time e do público".

Perder na grande final da Primeira Etapa não foi tão ruim quanto ter que disputar a Série de Promoção para manter sua vaga no CBLoL. Entretanto, ambos os resultados tiveram como consequência uma conversa série entre esA e Edu Kim, dono da organização. Apesar de ter um contrato vigente até dezembro de 2018, as partes concordaram em dar fim ao relacionamento de anos para uma "saída amigável".

"Eu e o Edu sempre fomos muito amigos. Conversamos sobre o jogo e sobre nossa vida pessoal, então ele sabe que me liberar e fazer um acordo amigável seria a melhor opção, porque ele não queria me atrapalhar como um jogador", explica esA. "Pedi para sair para procurar novos ares. Passamos quase três anos juntos e não conseguimos nenhum título, só o Rift Rivals. Ele entendeu, eu entendi a situação. Foi um acordo bem amigável".

Afirmando ainda estar estudando a proposta de outros times, esA diz ter certeza de uma coisa: pretende continuar a ser um suporte e ser o melhor do Brasil. Embora tenha iniciado sua carreira como atirador, esA passou a ser o suporte do Keyd na última etapa, o que acredita ter sido uma mudança importante - mas não tão surpreendente - em sua carreira.

"Tinha pensado muitas vezes em mudar de posição, que foi o que fiz agora no final de 2017", conta. "Sempre fui uma voz muito ativa dentro do time. Fora de jogo, eu ajudava muito outros jogadores com sua própria lane. Sempre quis saber o que estava acontecendo com outro jogador, então acho que atirador não era mesmo minha função. Não conseguia prestar atenção no meu jogo e no jogo dos outros, e isso acabava me prejudicando na maioria das vezes".

"Mudar pra suporte foi uma decisão minha. Acho que é uma posição que combina mais comigo", complementa. "Sempre tive uma voz muito ativa, e para o suporte isso é muito importante, ter o shotcalling dentro do time, fazer com que o time entenda o objetivo. Isso deu certo para mim e para o time na época".

Perguntamos a esA, também, se ele se sente triste em não participar da Superliga, um campeonato bastante aguardado por jogadores devido ao grande tempo de hiato entre a última etapa do CBLoL e a próxima. Com o encerramento de seu contrato com o Keyd, o jogador acabou não sendo inscrito pelo time na competição realizada pela ABCDE, mas ele afirma não estar tão abalado por isso.

"Eu gostaria de jogar se já estivesse treinando em um time. Tem muito time que não está preparado ainda e está jogando por jogar. Não gosto disso, pois sou competitivo", explica.

O jogador, no entanto, não está parado. EsA afirma que está aproveitando o tempo para aprender e treinar as novas mudanças que chegaram ao League of Legends, como as novas runas. "Fiquei um dia e meio lendo as mudanças. Testei bastante runas e estou bem entendido, já estou até explicando pra alguns amigos", conta. "Essa mudança foi muito boa. O jogo tem uma dinâmica muito boa agora, porque você não espera qual runa o outro jogador vai usar. Existem muitas combinações, então o ano que vem vai ser bem bacana".

Enquanto decide seu futuro nas próximas semanas, esA garante que seu sonho continua o mesmo: "ganhar o CBLoL e representar bem o Brasil lá fora".