Última esperança, Suécia salva 'clube dos vices', que não fica de fora da Copa desde 1950

ESPN.com.br

Getty
Suécia foi vice-campeã mundial em 1958
Suécia foi vice-campeã mundial em 1958

A eliminação da Itália na repescagem europeia representa uma marca impressionante para o futebol. Disso não há dúvidas. Porém, caso a seleção quatro vezes campeã do mundo tivesse exercido o favoritismo no confronto com a Suécia e fosse à próxima Copa do Mundo, um outro feito impactante também seria estabelecido.

Isso porque o resultado representaria a eliminação dos finalistas de 1958, e, dessa forma, o ‘clube dos vices’ não seria representado em uma edição do torneio pela primeira vez desde 1950.

No primeiro Mundial do Brasil, as seleções de Argentina, Tchecoslováquia e Hungria, que eram os vices dos torneios anteriores, não participaram da competição. Desde aquela edição, a Copa sempre contou com um país que tenha sido finalista e que nunca venceu a competição.

Destes três países mencionados acima, somente os argentinos deixaram o ‘clube dos vices’, graças às taças de 1978 e 1986.

Os outros dois seguem sem títulos. A Hungria, vice-campeã em 1938 e 1954, ficou fora do Mundial de 2018 ao terminar na terceira colocação da chave que tinha Portugal e Suíça na eliminatória europeia. Seu último Mundial foi em 1986.

Já a Tchecoslováquia, que perdeu as finais de 1934 e 1962, dividiu-se em República Tcheca e Eslováquia. Os tchecos, que jogaram a Copa pela última vez em 2006, ficaram atrás de Alemanha e Irlanda do Norte em sua chave nas eliminatórias, enquanto que os eslovacos, que participaram em 2010, foram o pior segundo colocado de seu grupo, não conseguindo ir à repescagem.

Outra integrante do clube é a Holanda, que chegou às decisões de 1974, 1978 e 2010. Para o Mundial da Rússia, porém, a seleção ficou de fora ao terminar atrás de França e Suécia. Aliás, os suecos fecham o seleto grupo dos vices e são, dessa forma, o representante solitário de tal categoria em 2018.

Buffon reflete sobre sua evolução como goleiro e projeta eliminatória: 'Repescagem é sempre um risco'