Após ficar seis meses afastado no Corinthians, colombiano desabafa sobre Tite e explica ida ao Bahia

Vladimir Bianchini, do ESPN.com.br

gazeta press
Stiven Mendoza fez quatro gols com a camisa do Bahia
Stiven Mendoza fez quatro gols com a camisa do Bahia

Contratado por empréstimo em junho deste ano, Stiven Mendoza chegou ao Bahia em busca de afirmação. Após um ano e meio no Corinthians, no qual chegou a ficar seis meses sem jogar, o colombiano quer reencontrar seu futebol.

“Como eu não tinha oportunidade fui tentar dar a volta por cima ao Bahia. A adaptação foi muito boa, mas precisava de um tempo para isso porque o ambiente é diferente. Eu demorei um pouco para pegar o ritmo de jogo", disse, ao ESPN.com.br

O namoro entre o atacante e o clube de Salvador  era antigo.

“Os caras estavam atrás de mim desde dezembro. Eu estava com aquela vontade de jogar no Corinthians e falei que ainda não ia para lá. Nisso, não aconteceu nada e eles conversaram comigo de novo”.

Desde que chegou ao Bahia, Mendoza fez 22 jogos e 4 gols. Ele se destacou na vitória por 3 a 0 sobre o Vasco (quando marcou duas vezes) e no triunfo por 2 a 1 no São Paulo (quando fez um gol).

"Estou gostando muito de Salvador e estou muito tranquilo. O mais importante é voltar a jogar e a fazer a minha parte da melhor maneira possível. Quero continuar evoluindo”, projetou.

No Bahia, ele voltou a fazer jus ao apelido que o consagrou no futebol.

“Um parceiro meu começou a me chamar de Speedy Mendoza na Colômbia. Isso ficou um pouco esquecido, mas quando fui ao Corinthians voltou por causa daquela arrancada que dei contra o Palmeiras. Foi de uma área até a outra e quase fiz um golaço, mas o Prass defendeu muito bem. Nisso, o apelido voltou”, relatou.

“Aqui em Salvador todo mundo fala que sou o Speedy, o jogador mais rápido do Brasil (risos). A gente tira foto e recebo carinho. Eu gosto demais disso. Eu cheguei a dar uma arrancada de 41km/h e o Usain Bolt consegue 45km/h. Ele é muito rápido mesmo (risos)”, falou.

O próximo desafio do Bahia será contra o Flamengo pelo Campeonato Brasileiro, nesta quinta-feira, às 21h (de Brasília).

Mendoza comemora momento no Bahia, fala sobre contrato com Corinthians e sonha com Copa e Europa: 'Quero jogar em nível alto'
  • Disputado por três times

John Stiven Mendoza Valencia passou pelas seleções de base do Colômbia e por clubes como Envigado, América de Cali, Cúcuta Deportivo e Deportivo Cali antes de chegar ao Chennaiyin-IND. Logo após o fim da Superliga da Índia, o atacante desembarcou no Brasil, em dezembro de 2014.

“Eu tinha chance de ir ao Atlético-PR, Fluminense e Corinthians. O empresário me falou que a melhor opção era o Corinthians por causa da estrutura e da torcida. Disse que tenho garra e raça e vou me encaixar melhor no estilo do Corinthians porque luta corre, dá carrinho e vai para cima. Assim que recebi a proposta o Rincón me disse: ‘Corinthians? Pode ir de olho fechado’. Assinei o contrato logo depois”, relatou.

“Foi uma mudança muito grande na minha vida. Foi um salto muito bom na minha carreira. Eu queria jogar em time grande e bom. Foi uma experiência muito boa no começo e a língua dificultou um pouco, mas a adaptação foi muito boa. Todo mundo me adotou mesmo e me ajudaram demais”, afirmou.

No período no qual permaneceu no Parque São Jorge, Mendoza foi comandado por Tite.

Gazeta Press
Mendoza fez três gols no Timão
Mendoza fez três gols no Timão

“Ele é um grande profissional e o melhor treinador que já tive na carreira. Um cara muito inteligente, quando ficávamos no banco ele falava com você e pedia sua opinião. Se você falar assim: ‘Nosso time está faltando aquilo’. Ele vai lá e faz. É como se você fosse auxiliar dele. Se não dá certo, ele pensa outra forma de montar o time. Ele me ajudou demais na minha carreira, ele falava o quase o tempo todo na minha carreira. É um cara muito qualificado”, falou.

Mendoza, porém, não conseguiu se firmar com a camisa alvinegra. Foram 25 partidas oficiais e três gols naquele ano.

“Foi um momento difícil. Eu virei titular depois que o Sheik saiu para o Flamengo. Fiz alguns jogos e saí do time. Se você falasse com qualquer jogador do time, o Tite te falaria: 'Você não vai jogar por isso'. Ele te justifica. Mas naquela vez foi diferente. Ele me tirou do time e nem falou comigo. Ele precisa falar toda vez que te tira do time? Claro que não. Mas ele é um cara que sempre fazia isso. Não entendi o porquê desta situação”, lamentou.

“Como jogador a gente pensa em melhorar cada dia mais. Desta vez, eu não consegui saber com ele o que precisava melhorar. A gente precisa de uma adaptação. Eu achei que estava adaptado. Se faltava alguma coisa acho ele poderia ter me falado. Me tirou do time, fiquei triste demais porque tinha trabalhado desde janeiro para ser titular do Corinthians e mostrar meu futebol. Antes de sair, o Tite ainda falou: ‘Não vai que eu vou precisar de você. Fica aí e espera tua oportunidade de novo’. Mas eu fui embora”, disse.

Mendoza atende pedido de Plihal, exalta Freddy Rincón e revela conselhos do compatriota
  • Volta para Índia

Em agosto, Mendoza saiu do Corinthians, que venceu o Brasileiro no final do ano, para jogar novamente a Superliga da Índia pelo Chennay, no qual foi campeão e marcou 16 gols. 

“Quando voltei ao Corinthians no começo do ano passado o Tite me falou: ‘Eu precisava de você e você foi embora. Agora, chegaram novos jogadores e preciso dar prioridade para eles. Por enquanto você não ser aproveitado’. Nisso, surgiu a MLS e saí”, explicou.

EFE
Mendoza jogou na Índia
Mendoza jogou na Índia

O atacante defendeu o New York FC, da Major League Soccer, até o final do ano passado, antes de retornar ao Parque São Jorge.

“Voltei com aquela motivação de trabalhar forte e querer ajudar. Cada vez me esforçar mais e aprender. Eu voltei esperando uma oportunidade e fiquei seis meses treinando esperando uma chance que não chegou. Mas de boa”, garantiu.

Mendoza pegou indicação do clube de Salvador com os colegas de Corinthians.

“Conversei com Paulo Roberto e Moisés que jogaram no Bahia e me falaram muito bem do time e as pessoas que eu ia gostar. Na quarta rodada do Brasileiro eu perguntei ao [técnico Fábio] Carille se teria alguma oportunidade. Como não ia ter eu fui ao Bahia”, analisou.

Assista aos gols da vitória do Bahia sobre o Vasco por 3 a 0!

“Agora é fazer meu trabalho no Bahia. Estou muito bem, minha família tem gostado e  estamos muito felizes. Eu estou jogando e procuro fazer tudo da melhor maneira possível”, finalizou.