Não é pouca coisa a diferença: compare Gabriel Jesus nas mãos de Guardiola com o do Palmeiras

Diego Garcia, do ESPN.com.br
Victoria Haydn/Manchester City FC via Ge
Gabriel Jesus e Josep Guardiola: relação vem dando frutos ao futebol do brasileiro
Gabriel Jesus e Josep Guardiola: relação vem dando frutos ao futebol do brasileiro

Gabriel Jesus fez mais dois gols com a camisa do Manchester City, na goleada por 7 a 2 contra o Stoke City neste sábado. E cada vez mais vem se tornando um jogador completo nas mãos do técnico Pep Guardiola.

É o que comprovam números do TruMedia, a ferramenta de estatísticas da ESPN. No time inglês, em comparação com o período no Palmeiras, o centroavante tem acertado muito mais o gol, passado melhor a bola e ainda precisa marcar muito menos.  



A análise computa os 21 jogos oficiais dele no City e 83 jogos oficiais do jogador pelo Palmeiras. 

E a contagem começa com o número de gols, que estão com melhora dobrada: são 14 pelo Manchester e 28 com a camisa alviverde, médias de 0,66 e 0,33, respectivamente.

Mas as assistências por jogo também aumentaram consideravelmente: são cinco com a camisa do City, ou quase uma a cada quatro jogos (0,24 de media). No Palmeiras, o aproveitamento era de apenas pouco mais que um passe para gol a cada quase 10 jogos (0,12 de média).

Tudo isso, vale ressaltar, com bem menos tentativas. Afinal, a média de finalizações de Jesus no City é de 2,3 por partida (47,9% certas), contra 2 no Palmeiras (44,5%). Desses chutes, 29,2% resultaram em gol pelo time inglês, diante de somente 16,4% no clube brasileiro.

São ainda 24 passes por duelo pelo City (80,8% certos), enquanto no Palmeiras a média era de 21 (sendo 70,3% corretos).

A prova de que as funções de Gabriel Jesus na Inglaterra são bem mais ofensivas também se mostra em fundamentos defensivos, se comparados aos tempos alviverdes. 

Em solo britânico, a média de desarmes é de apenas um por jogo, enquanto no Palmeias era 1,6; são 1,1 faltas cometidas no City e 2,2 no Palestra; e 0,14 cartões amarelos por confronto no Manchester, e mais 0,25 no Brasil.

Aos poucos, o técnico Pep Guardiola vai evoluindo cada vez o centroavante da seleção.

Dois gols, chapéu e mais: veja show de Gabriel Jesus no massacre do City sobre o Stoke

“Gabriel nos ajudou muito desde que chegou aqui. Fez muita falta quando se machucou”, lembrou o treinador há alguns dias, citando a lesão que tirou o camisa 33 de combate na reta final da última temporada, justamente no período em que o City acabou eliminado na Liga dos Campeões da Europa.

Mesmo com a nítida melhora, Guardiola faz questão de colocar os pés do garoto de 20 anos no chão, lembrando a possibilidade de evolução para se tornar ainda melhor nos próximos anos.

“Ele já é um atacante dos melhores, joga com a 9 da seleção brasileira, mas não deve esquecer que pode melhorar muito mais, é jovem o suficiente para isso”, alertou o treinador.