Justiça nega pedido de habeas corpus, e Nuzman continua preso

ESPN.com.br

Getty
Carlos Arthur Nuzman continuará preso no Rio
Carlos Arthur Nuzman continuará preso no Rio

O agora ex-presidente do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), Carlos Arthur Nuzman, continuará preso no Rio de Janeiro. O pedido de habeas corpus feito pela defesa de Nuzman foi negado pela Justiça nesta quarta-feira. O documento é assinado por Abel Gomes, Desembargador Federal e relator do Tribunal Regional Federal da 2ª Região.

A defesa do ex-presidente do COB chamou a prisão preventiva do dirigente de ‘medida abusiva, desnecessária e ilegal’. Nuzman teve a prisão por tempo indeterminado decretada na última segunda-feira. O pedido de habeas corpus foi feito na terça. Nesta quarta, a Justiça indeferiu a liminar solicitada pela defesa de Nuzman.


Ainda nesta quarta, o advogado Sergio Mazzello, que representa Carlos Arthur Nuzman, anunciou em carta que o dirigente renunciou à presidência do Comitê Olímpico Brasileiro (COB). Paulo Wanderley, ex-presidente da Confederação Brasileira de Judô, passa a ser automaticamente o mandatário. Ele era o vice, e agora ocorrerá uma eleição para alguém assumir o seu antigo posto.

Agentes da Polícia Federal prenderam, na manhã do dia 5 de outubro, o presidente do Comitê Olímpico Brasileiro e do Comitê Rio 2016, assim como Leonardo Gryner, diretor geral  do comitê da Rio 2016 e braço direito de Nuzman no COB.

Gabi Moreira atualiza informações sobre carta de renúncia de Nuzman

Nuzman é considerado o principal responsável pelo pagamento de propina a dois membros do COI na eleição do Rio de Janeiro como sede dos Jogos de 2016. No começo de setembro, ele foi encaminhado à sede da Polícia Federal para prestar depoimento na operação batizada como Unfair Play, braço da Lava Jato que investiga a corrupção durante o governo estadual de Sérgio Cabral (2006 a 2014), mas permaneceu calado. 

Os investigadores da PF, Ministério Público Federal e Receita Federal - com auxílio das autoridades francesas - apontam Nuzman como elo entre o pagamento da propina de US$ 2 milhões para Papa Massata Diack por meio do empresário Arthur Soares, o "Rei Arthur".

Na última segunda-feira, o pedido de prisão preventiva de Nuzman foi decretado. Agora que renunciou à presidência do COB, Carlos Arthur Nuzman irá se dedicar a sua própria defesa no processo.

Reprodução
Defesa de Nuzman teve o pedido indeferido
Defesa de Nuzman teve o pedido indeferido