Presidente da Ferrari lamenta falhas, mas acredita que 'nada está perdido'

ESPN.com.br com agência Gazeta Press
EFE
A Ferrari tem enfrentado problemas nos últimos Grande Prêmios realizados
A Ferrari tem enfrentado problemas nos últimos Grande Prêmios realizados

A Ferrari vive um momento complicado na Fórmula 1. Após um acidente em Cingapura e dois problemas de motor na Malásia e no Japão, Sebastian Vettel viu Lewis Hamilton abrir 59 pontos de vantagens na briga pelo campeonato mundial, diminuindo as esperanças de conquistar seu quinto título.

O presidente da Ferrari, Sergio Marchionne, lamentou a falha na vela de ignição em Suzuka, peça avaliada em cerca de 220 reais, e afirmou, em entrevista à agência italiana de notícias ANSA, que a equipe pagou o preço por ignorar o controle de qualidade.

“Foi uma bobeira técnica que teve um impacto em um carro que custa milhões de euros. Precisamos renovar nosso comprometimento quanto à qualidade dos componentes que chegam à F1. É um problema que provavelmente ignoramos com o passar do tempo, porque nunca teve muita importância", afirmou.

Marchionne também comparou o carro da escuderia italiana com a da Mercedes: “Sem ser arrogante, acho que (o carro) está no mesmo nível, senão melhor do que o da Mercedes hoje. Tenho certeza de que, se não tivéssemos problemas nas últimas três corridas, estaríamos tendo uma conversa diferente”.

Apesar dos problemas, o presidente se mostrou confiante e otimista para o restante da temporada, evitando falar em azar.

Victor Martins faz panorama geral sobre o GP do Japão e diz: 'O Hamilton está com o campeonato ganho'

“Ainda há muito o que fazer. Não vou falar de azar, não acredito nisso. O importante é não perder a confiança que nos levou tão longe. Estou muito feliz com o que a equipe tem feito e tenho bastante confiança em que, nas quatro corridas que restam, vamos poder reduzir a maior parte da diferença perante a Mercedes”, avaliou.

Sebastian Vettel tem 59 pontos a menos que o líder Lewis Hamilton. O próximo GP acontece em Austin, nos Estados Unidos, entre os dias 20 e 22 de outubro. Caso o alemão termine de sexto para baixo, o britânico conquista seu quarto título mundial na Fórmula 1.