Chegar na semifinal da Libertadores? Para ninguém isso é tão fácil como para o Santos

ESPN.com.br

Divulgação: Santos
Jogadores do Santos reunidos com Levir Culpi no gramado da Vila
Jogadores do Santos reunidos com Levir Culpi no gramado da Vila

É no estádio Monumental Isidro Romero Carbo, na cidade equatoriana de Guaiaquil, frente ao Barcelona, que o Santos inicia a busca pela sua nona semifinal de Copa Libertadores, a partir das 21h45 (de Brasília) desta quarta-feira. Entre as equipes brasileiras, o clube da Vila Belmiro já é o recordista em aproveitamento por participação na competição. Entre os campeões do torneio, está empatado com o Argentinos Juniors, ambos donos do melhor retrospecto.


Em 12 participações, ignorando à atual, o Santos chegou a semifinal em pelo menos oito oportunidades. Isso representa 67% das vezes. O Argentino Juniors tem o mesmo aproveitamento, porém em menos tentativas. Esteve na semifinal duas vezes em três participações.

Um torcedor mais atento vai recordar que nem sempre a competição foi disputada como é hoje, o que algumas vezes representou um grau maior/menor de dificuldade. Por exemplo, em 1963 e 1964 o Santos estreou diretamente na semifinal por ser o último campeão.

Da estreia em 1960 até 1965 a semifinal correspondia a segunda fase da Libertadores, sendo precedida por jogos eliminatórios ou quatro chaves. O formato mudou em 1966 e em 1967, quando as semifinais foram substituídas por duas chaves (uma com quatro times e outra com três) para definir os finalistas. 

De 1968 a 1970 as semifinais foram disputadas como são hoje (jogos de ida e volta; mas com um terceiro jogo em campo neutro em caso de empate). De 1971 até 1987 os times eram divididos em dois triangulares, dos quais saíam os finalistas. Foi a partir de 1988 que a fórmula atual se firmou.

'Você acha que vai pro céu?': Levir responde sobre o 'bloco da religião', líderes religiosos e política no futebol


Observando apenas o Santos, o time estreou diretamente nas semifinais em 1963 e 1964, como já citado, por ser o campeão do ano anterior. 

Em 1965, 2007 e 2012, o time estreou na primeira fase e chegou até as semifinais, onde foi eliminado. Em 1962, 2003 e 2011, passou da semifinal, chegando à decisão. Foi campeão, vice e novamente campeão, pela ordem.

Foram essas as oito vezes em que o Santos esteve na semifinal. Se passar pelo Barcelona, terá um aproveitamento de 69%.

Entre os brasileiros, o São Paulo até chegou mais vezes a essa fase (10), mas também participou muito mais do torneio (18), tendo um aproveitamento de 56%. O Grêmio vem logo depois do Santos. Foram sete semifinais em 16 participações (50%), podendo agora chegar à oitava.

Entre os campeões, além do Argentinos Juniors, os destaques são o Peñarol-URU, que jogou a Libertadores 44 vezes e foi a semifinal 20 vezes (45%), o Independiente-ARG, com 12 idas para as semifinais em 19 participações (63%), o River Plate-ARG, com 16 semifinais em 32 edições (48%), e o Boca Juniors-ARG, com 15 semifinais em 26 participações (58%).

Realmente, o rendimento santista na Libertadores é muito bom, estando quase sempre entre os melhores do torneio.

Mas e as outras quatro vezes que o Santos jogou a Libertadores?

Em 2004, 2005 e 2008, o time parou nas quartas de final. Já em 1984 ficou na fase de grupos, naquela que foi sua pior participação - somou dois pontos em seis jogos, com uma vitórias e cinco derrotas. Foi lanterna da chave que tinha Flamengo, América de Cali-COL e Atlético Júnior-COL.

Libertadores: assista aos palpites do 'Linha de Passe' para Barcelona-EQU x Santos e Botafogo x Grêmio


FICHA TÉCNICA:
SANTOS X BARCELONA-EQU

Local: Estádio Monumental Isidro Romero Carbo, em Guaiaquil (EQU)
Data: 13 de setembro de 2017, quarta-feira
Horário: 21h45 (de Brasília)
Árbitro: Daniel Fedorczuk (URU)
Assistentes: Richard Trinidad (URU) e Gabriel Popovits (URU)

BARCELONA: Banguera; Pedro Velasco, Darío Aimar, Arreaga e Pineida; Gabriel Márquez, Oyola, Marcos Caicedo, Damian Diaz e Castillo; Jonatan Álvez. Técnico: Guillermo Almada

SANTOS: Vanderlei; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, David Braz e Zeca; Renato, Alison e Lucas Lima; Thiago Ribeiro, Bruno Henrique e Ricardo Oliveira. Técnico: Levir Culpi