O que acontece com as finanças do time que é rebaixado? Veja o que a história diz

ESPN.com.br

Gazeta Press
Mesmo na Série B em 2016, Vasco teve receitas de R$ 213 milhões
Mesmo na Série B em 2016, Vasco teve receitas de R$ 213 milhões

O São Paulo vive situação complicada no Campeonato Brasileiro. Com 24 pontos somados após 23 rodadas, a equipe comandada por Dorival Júnior está na 19ª posição na tabela, correndo sérios riscos de rebaixamento. Faltando 15 rodadas para o término da competição, o São Paulo precisa iniciar uma reação rapidamente se não quiser disputar a Série B em 2018. Mas o que aconteceu com as receitas dos grandes clubes nas temporadas nas quais eles jogaram a Segunda Divisão?

Mesmo rebaixados, alguns times grandes conseguiram aumentar as suas receitas nos anos que enfrentaram a Série B. São os casos de Grêmio (2005), Atlético-MG (2006) e Vasco (2009 e 2016). Segundo dados divulgados por Amir Somoggi, especialista em gestão esportiva, os clubes mencionados obtiveram receitas superiores na temporada na Série B em comparação ao ano anterior.


Rebaixado em 2004, o Grêmio teve receitas estimadas no ano de R$ 26 milhões. No ano seguinte, a arrecadação saltou para R$ 41 milhões. Quando caiu para a Série B, o Atlético-MG também mostrou aumento nas receitas: de R$ 35 milhões em 2005 para R$ 50 milhões em 2006.

Rebaixado três vezes na ‘era dos pontos corridos’, o Vasco, em duas ocasiões, trilhou o caminho de Grêmio e Atlético-MG. Em 2009, teve receitas de R$ 85 milhões (R$ 52 milhões em 2008). Já em 2016, as receitas giraram em torno de R$ 213 milhões (foram de R$ 189 milhões na temporada de 2015).

Bate Bola Bom Dia usa a calculadora para projetar o que o São Paulo precisa fazer para não ser rebaixado

No outro rebaixamento da equipe carioca, em 2014, o clube apresentou decréscimo nas receitas em comparação ao ano anterior: de R$ 157 milhões para R$ 129 milhões.

Outros grandes clubes que viveram o drama de jogar a Série B também apresentaram números inferiores nas arrecadações. O Corinthians teve queda de R$ 17 milhões (de R$ 135 milhões em 2007 para R$ 118 milhões em 2008). Já o Palmeiras, de 2012 para 2013, foi de R$ 244 milhões para R$ 181 milhões. Outro grande que enfrentou problemas nas receitas foi o Botafogo: de R$ 163 milhões em 2014 para R$ 121 milhões em 2015.

Os grandes rebaixados nos pontos corridos:

2004 – Grêmio (receitas: R$ 26 milhões em 2004 e R$ 41 milhões em 2005)
2005 – Atlético-MG (receitas: R$ 35 milhões em 2005 e R$ 50 milhões em 2006)
2007 – Corinthians (receitas: R$ 135 milhões em 2007 e R$ 118 milhões em 2008)
2008 – Vasco (receitas: R$ 52 milhões em 2008 e R$ 85 milhões em 2009)
2012 – Palmeiras (receitas: R$ 244 milhões em 2012 e R$ 181 milhões em 2013)
2013 – Vasco (receitas: R$ 157 milhões em 2013 e R$ 129 milhões em 2014)
2014 – Botafogo (receitas: R$ 163 milhões em 2014 e R$ 121 milhões em 2015)
2015 – Vasco (receitas: R$ 189 milhões em 2015 e R$ 213 milhões em 2016)
2016 - Internacional (receitas: R$ 292 milhões em 2016 e R$ ? milhões em 2017)