Entre a delegacia e o mar: delegada titular do Rio de Janeiro é campeã de stand up paddle

Bianca Daga, do espnW.com.br

Arquivo pessoal
Tatiana Queiroz é campeã de stand up paddle
Tatiana Queiroz é campeã de stand up paddle

Foi ela quem prendeu, em julho, os suspeitos de explorar sexualmente duas adolescentes do Paraguai. Em 2015, atuou na investigação do desvio de verbas de creches. Um ano antes, foi responsável pelo inquérito que investigou uma sindicalista que faturou R$ 1 milhão com fraude. São os casos mais famosos de Tatiana Queiroz, delegada titular da delegacia de atendimento à mulher de Belford Roxo, no Rio de Janeiro. Nesta terça-feira, embarca para Holanda para mais uma missão especial. Mas não policial: vai disputar uma competição de stand up paddle.

Aos 42 anos, a consultora jurídica da OAB Mulher do RJ vai trocar as prisões pelas remadas em 11 cidades no interior do país europeu. “Serão 220km, em média 40km por dia. Vou competir em trio, com dois homes. Vamos nos alterando durante os cinco dias, mas remamos a mesma distância, igualmente. Tirei férias para competir, e a FAEPOL (Fundação de Apoio ao Ensino e Pesquisa da Polícia Civil), que apoia policiais atletas, custeou minha passagem aérea”, contou ao espnW.

O dia começa cedo. Acorda às 5h30 e, pouco depois, cai na água para treinar – alterando com treinos físicos. A atividade dura de uma a duas horas e meia. Tem tempo para um banho e segue para a delegacia, de onde não tem hora para sair. À noite, depois do trabalho, faz dez minutos de meditação para aliviar a tensão comum a sua vida de delegada. Uma rotina e tanto.

Arquivo pessoal
Ela é delegada titular em uma delegacia no Rio de Janeiro
Ela é delegada titular em uma delegacia no Rio de Janeiro

A paixão pelo esporte não vem de hoje. “Sou esportista desde pequena. Pratiquei body board por alguns anos. Então, um dia eu estava na praia e um amigo me mostrou a prancha de stand up. Aprendi e, em 2011, comecei a competir. Antes era só passeio. Meu primeiro torneio foi em Búzios e fiquei em quarto. Foi quando um treinador me abordou e perguntou se eu não queria treinar com ele para crescer no esporte. Não parei mais. Agora, faço longas distâncias, que são as provas de 20 quilômetros ou mais.”

Arquivo pessoal
Tati vai competir na Holanda
Tati vai competir na Holanda

De lá para cá, já disputou de cerca de 20 competições e títulos não faltam no currículo. Em 2015, foi campeã da Tríplice Coroa Brasileira de Stand Up Paddle e do torneio Rei e Rainha do Mar, na categoria 6km. No mesmo ano, conquistou ouro no Rei de Búzios. O bicampeonato veio no último sábado. 2017 também já teve lugar mais alto do pódio na Volta à Ilha do Mel.

Body board e stand up paddle não são os únicos esportes na vida de Tatiana. A delegada já se arriscou na canoa havaiana e, agora, sua nova aventura é o kitesurf. Todos no mar. Imprevisível como o mundo do crime.

“Quando estou na água, fico sempre alerta. E na delegacia também. Nos dois, pode sempre acontecer o improvável, o imprevisível. No trabalho e no esporte, preciso pensar objetivamente em qual o melhor caminho, a melhor decisão, para não fazer nada que arrisque minha vida. Vivo nos limites do meu medo.”