Presidente renuncia e Bob Burnquist se candidata ao comando da Confederação Brasileira de Skate

ESPN.com.br

Lance Dawes
Bob Burnquist anunciou a candidatura à presidência da CBSk
Bob Burnquist anunciou a candidatura à presidência da CBSk

Diante das recentes polêmicas relacionadas ao skate nas Olímpiadas, o atual presidente da CBSk (Confederação Brasileira de Skate) Marcelo Santos e seu vice, Ed Scander, renunciaram de seus respectivos cargos no último final de semana.

A grande novidade, no entanto, é a candidatura do skatista Bob Burnquist. Recém-aposentado dos X-Games, o atleta disse que agora o seu foco está na evolução do skate brasileiro, e que tem como objetivo lutar por questões pontuais e que precisam ser resolvidas com urgência. As eleições acontecem no dia 30 de setembro. 

“Essa foi uma estratégia para fortalecer a Confederação e renovar os quadros. A gente entende que uma pessoa como o Bob [Burnquist] tem uma visibilidade muito grande que pode abrir portas para o skate nacional”, revelou Scander, ex-vice presidente da Confederação, à ESPN.com.br

“Toda a comunidade do esporte está muito esperançosa, animada e feliz com essa atitude do Bob de se candidatar às próximas eleições”, acrescentou. 

No início do ano, uma discussão tomou conta da organização do esporte nas Olímpiadas. O COB (Comitê Olímpico Brasileiro) reconheceu a Confederação Brasileira de Hockey e Patins (CBHP) como representante oficial na preparação para os Jogos de Tóquio. Dessa maneira, eles receberiam todo o dinheiro proveniente de recursos públicos para a competição.

Essa notícia gerou revolta entre os skatistas, que até fizeram uma ameaça de boicote. O pentacampeão mundial Pedro Barros, inclusive, afirmou que não estará presente nos próximos jogos caso não haja uma mudança na decisão do COB. Até agora, reuniões foram realizadas, mas as filiações não chegaram a uma decisão final sobre o assunto. 

Há uma década no comando da organização, os dirigentes deixaram um comunicado oficial em sua página:

"Marcelo Santos foi presidente de 2007 a 2017, além de ter sido um dos vice-presidentes e representante para a América Latina da International Skateboarding Federation (ISF) entre 2008 e 2015. Atualmente é membro do Comitê Internacional de Eventos da ISF.

Ed Scander foi vice-presidente entre 2003 e 2006, diretor de esportes entre 2007 e 2010 e novamente vice-presidente de 2011 a 2017.

Sob essa gestão os praticantes passaram a ter mais voz e maior participação nas decisões da entidade, com as criações dos Comitês e Conselhos formados pelos skatistas profissionais de todas as modalidades. Além disso, a CBSk passou a organizar anualmente os rankings brasileiros de todas as categorias e modalidades, algo alcançado somente no Brasil.

Nesses dez anos, a CBSk ajudou a articular os maiores eventos de Skate no país, como a Mega Rampa, Rio Vert Jam, Rio Bowl Jam, Red Bull Skate Generation, Nescau Street Festival, Copa Brasil de Skate (Circuito Banco do Brasil), Vans Waffle Cup, Ceará Street World Cup, STU Open, além de dezenas de etapas dos Circuitos Brasileiros Profissionais de Street e Vertical.

Neste período a CBSk conseguiu aumentar o piso de premiação das etapas dos Circuitos Profissionais em mais 270% e o valor dos cachês dos árbitros em mais de 340%, incentivando assim, não só a profissionalização dos skatistas, como também da mão obra especializada no esporte.

Nesse sentido, foram realizados cinco Testes de Aptidão de Árbitros entre 2007 e 2016, renovando e preparando ainda mais os membros de comissões técnicas da confederação e de federações, em diversos Estados.

Foi também nessa gestão que foram encomendadas pesquisas nacionais junto ao Instituto Datafolha em 2009 e 2015, além da articulação das parcerias com o Hospital das Clínicas e Santa Casa, para atendimento, exames e cirurgias gratuitos para skatistas confederados, além da inclusão do Skate no programa Bolsa Atleta do Ministério do Esporte desde 2008, sendo que, desde então, 107 skatistas receberam mais de R$ 1.730.000,00 em dinheiro.

Esses dez anos foram marcados ainda pelas lutas contra a proibição da prática do Skate no Museu do Ipiranga, Parque Ibirapuera, na Avenida Paulista e Praça Roosevelt como também a participação na construção das pistas de Skate do Sumaré, Freguesia do Ó, Parque Madureira, Half Pipe do Parque Mangabeiras, Pista do Parque do Cocó, Pista do Castelão, Praça Roosevelt, Parque do Nado, Chácara do Jockey, Bom Retiro entre muitas outras.

Com a palavra, Marcelo Santos, agora ex-presidente da CBSK:

'A CBSk é a única confederação de Skate em todo planeta. O que faz com que nosso país esteja bem a frente de todos os outros em termos de organização esportiva. Temos orgulho do legado deixado para o Skateboard brasileiro. Apesar da resistência que ainda existe em nosso meio quanto as entidades de administração esportiva, é inegável a importância da CBSk para evolução do Skateboard nacional e principalmente para a manutenção da nossa cultura. Não temos dúvida que é imprescindível que o Skate e a CBSK continuem sendo geridos por skatistas. Ao contrário do que muitos irão pensar, não estamos abandonando ou desacreditando no futuro da entidade ou do Skateboard, pelo contrário, estamos abrindo mão dos nosso cargos em prol de uma reformulação positiva da CBSk. Dentro de alguns dias ficará claro que nossa atitude irá fortalecer em muito a Confederação e o Skateboard nacional. Aproveitamos o momento para agradecer a todos os skatistas e não skatistas, que acreditaram em nós e de alguma forma nos apoiaram nesses dez anos, nos incentivando ou mesmo nos criticando. Skateboard é a nossa vida.'"