Cartolinas, laser e treino para piloto de F-1: como Diego Alves virou mito nos pênaltis e chegou na seleção

Rafael Valente e Vladimir Bianchini, para o ESPN.com.br
Veja uma sequência de treinos indoor do goleiro Diego Alves, do Valencia

Convocado por Tite para os amistosos contra Argentina e Austrália, Diego Alves se destacou na última temporada pelo Valencia tanto pelas grandes atuações como pelos pênaltis defendidos. Antes de chegar à seleção, ele resolveu contratar no meio de 2016 um preparador de goleiros para fazer trabalhos especiais quando não está no clube. Esse foi o segredo para que começasse a se destacar em campo.

Diego Alves não faz simples treinos de futebol. Para evoluir, realiza atividades usadas para aprimorar a velocidade e o tempo de reação dos pilotos de Fórmula 1.

A ideia de utilizar esse tipo de trabalho foi de Leandro Franco, o preparador de goleiros contratado por Diego Alves. Eles se conhecem desde o início da carreira do goleiro e voltaram a trabalhar juntos no meio do ano passado.

"Há seis anos, eu vi esse conjunto de luzes que custava cerca de 5.000 mil euros [cerca R$ 18.300]. É muito caro. Eu vendo aquilo achei que poderia se encaixar nos treinos pra os goleiros. Peguei umas cartolinas coloridas, fiz os círculos e pendurei na parede do vestiário. Eu peguei dois lasers para apontar e deu certo", disse Franco em entrevista ao ESPN.com.br.

O objetivo do preparador é ajudar a Diego Alves tomar decisões rápidas em situações desfavoráveis em campo, sendo ágil não apenas fisicamente, mas no raciocínio. 

"O treinador pode ditar todo o exercício que o goleiro vai executar. Ele faz por meio de uma forma muito automatizada. Como se o goleiro fosse um robô. Do outro jeito, ele vai exercitar a capacidade de improviso do goleiro e o seu raciocínio".

Apesar de parecerem simples, os exercícios exigem uma série de movimentos combinados em sequência por parte do goleiro.

"Quando eu lanço o laser, ele precisa reagir o mais rápido possível ao estímulo. Durante o jogo, o atacante não fala onde vai chutar a bola para o goleiro. Ela vem de todas as formas. Com esse treino, ele consegue tomar a melhor decisão da forma mais rápida".

Veja como o goleiro Diego Alves se prepara para os jogos

Além das defesas, Franco tenta aperfeiçoar as habilidades de Diego Alves com os pés - uma exigência dos técnicos dos grandes clubes da Europa - e a reposição de bola em alvos escolhidos na hora, simulando situações de jogo.

"Quando ele dominava a bola, eu esperava e apontava o laser no local. Com isso, ele só poderia tomar uma decisão depois que estivesse com ela dominada. Ele não sabia aonde eu iria colocar a luz. Eu direcionava rápido o laser e ele visualizava. Com isso, tinha que acertar o lugar indicado com perfeição", explicou o preparador.

O trabalho tem dado resultado. Além de boas partidas pelo Valencia, ele bateu o recorde de mais pênaltis defendidos em apenas uma temporada no Campeonato Espanhol: seis cobranças, incluindo uma de Cristiano Ronaldo.

"O Diego é muito dedicado e estudioso da profissão. Eu filmava os treinos e os jogos dele. Acompanhava tudo de perto. A gente discute isso depois em casa e no final dos jogos vemos os vídeos e conversamos sobre a postura, o que poderia melhorar".

  • Retomando uma parceria antiga

Leandro Franco e Diego Alves começaram a parceria nas categorias de base do Botafogo-SP, em Ribeirão Preto. O arqueiro ainda era um adolescente e o preparador de goleiros integrava a comissão técnica das equipes inferiores.

"Fui o primeiro a trabalhar com ele. Já demonstrava desde aquela época que seria um grande goleiro", recordou.

Lucas Figueiredo / MoWA Press
Diego Alves durante treino da seleção brasileira na Copa America Centenário
Diego Alves durante treino da seleção brasileira na Copa America Centenário

Os amigos seguiram caminhos diferentes ao longo da carreira. Diego Alves saiu do Botafogo-SP rumo ao Atlético-MG, em 2003. Depois foi para o Almería, na Espanha, antes de chegar ao Valencia, em 2011.

Já Leandro Franco, após deixar a equipe de Ribeirão Preto foi preparador de goleiros em clubes como Sertãozinho, Votoraty-SP, Comercial-SP e Tombense-MG. Fora do Brasil, ele passou por Sivasspor-TUR, Akhisar-TUR e Délhi Dynamos-IND.

"Eu trabalhei por três anos com o Roberto Carlos [ex-lateral e que virou técnico]. Quando ele acertou com o Real Madrid B, não foi possível me levar junto. O time já tinha uma comissão técnica. Estava na Espanha e o Diego me convidou para trabalhar com ele no segundo semestre do ano passado. Fazia um trabalho sem interferir no que era feito pelo Valencia", explicou Franco.

  • Treinos diferentes

De fato, os treinamentos elaborados por Leandro Franco fogem do comum no mundo do futebol brasileiro. 

"Eu uso esse tipo de trabalho há alguns anos. Sempre gostei de treinar o básico que o goleiro necessita. Isso é: chute, cruzamento, posicionamento. Eu não abro mão disso, mas sempre gostei de criar coisas novas. Tenho 18 anos como preparador de goleiro e sempre gostei de criar exercícios novos para que eles não saibam exatamente aquilo que vão ser exigidos a fazer", justificou sobre o uso de novidades.

Pedro Martins / MoWA Press
Diego Alves treina em Melbourne
Diego Alves treina em Melbourne

E é justamente esse tipo de treino que encantou o goleiro do Valencia. "Eu faço isso para que ele tenha sempre uma motivação nas atividades e que cada dia de trabalho seja um novo desafio para a profissão dele", acrescentou o preparador.

Franco não é do tipo que esconde as atividades. Ele posta os vídeos dos treinos que cria na própria página do Facebook.

"Eu uso isso para mostrar meu trabalho e ajudar outros preparadores. É uma forma de ser visto e lembrado. Tenho a esperança de ter uma oportunidade em um time grande, algo que ainda não apareceu".

Mas Franco também relata que enfrenta um certo preconceito por quem desconhece seu métodos. "Já sofri algumas criticas por criar situações novas. Mas quando fui trabalhar com Roberto Carlos por três anos na Europa eu puder ver que eles adotam esse tipo de trabalho. Isso me deu uma força maior para continuar. Vi que estava no caminho certo".

  • Orgulho do pupilo

É por todo esse trabalho que Leandro Franco tem orgulho ao falar da convocação de Diego Alves por Tite. O preparador é um dos que ficará na expectativa de ver o arqueiro entrar em campo contra Argentina e Austrália para mostrar tudo que sabe.

"O Diego chega muito bem preparado para a seleção. Ele estava treinando e veio da Europa e não parou desde que chegou ao Brasil. Nós demos continuidade ao trabalho dele na Espanha."