Na Série D, time chega atrasado e de ônibus escolar, não canta nem o hino e vira aos 49 do 2º tempo

Francisco De Laurentiis e Igor Resende, do ESPN.com.br

A Série D do Campeonato Brasileiro costuma ser um poço sem fim de grandes histórias do futebol. E, na tarde do último domingo, isso se provou verdadeiro mais uma vez.

Fazendo sua estreia na competição, o desconhecido Clube Atlético Pernambucano, fundado em 2006 na cidade de Carpina, viveu uma histórias daquelas que, contando, ninguém acredita.

Para começar, o ônibus do time quebrou a caminho do estádio Paulo Petribu, onde o "Tatu-Bola" enfrentaria o tradicional Campinense, e a diretoria teve que agir rápido: arrumou um ônibus escolar, que levou os atletas até o campo para evitar o W.O.

"Nosso CT fica a mais ou menos 20 minutos do estádio, que é em uma área rural. É próximo, o ônibus sai da garagem para pegar a equipe no CT. O ônibus até saiu no horário, mas acabou quebrando", contou Lucas Lisboa, presidente do Atlético, ao ESPN.com.br.

"Aí o capitão da equipe me ligou e falou que o ônibus não tinha chegado. Quando conseguimos falar com o motorista, ele avisou que o veículo tinha quebrado. Era um problema muito difícil de resolver a tempo hábil", completou o dirigente.

O jeito foi apelar à prefeitura para ajudar o clube na hora da dificuldade.

Ednaldo Tavares/Divulgação
Atletico-PE Campinense Serie D 21/05/2017
Lance de Atlético-PE x Campinense

"Como era domingo, estava muito complicado. Falei com o secretário de transportes e ele conseguiu um ônibus escolar, que foi ao CT buscar os atletas. Os jogadores foram alongando no caminho no próprio ônibus, porque já estavam cerca de 20 minutos atrasados", relatou Lisboa.

Ao chegarem ao estádio Paulo Petribu, os atletas atleticanos não puderem nem cantar o hino nacional, que já havia sido executado apenas com o Campinense no gramado.

Em seguida, a bola rolou com 16 minutos de atraso, segundo a súmula.

  • Virada épica aos 49 do 2º tempo

Conseguir uma vitória contra o Campinense, apontado como um dos favoritos ao título da Série D, já era visto como missão impossível para o Atlético Pernambucano.

Afinal, a equipe laranja foi rebaixada no último Campeonato Pernambucano com 10 derrotas em 10 jogos no hexagonal da permanência, e só conseguiu a vaga na Série D porque o Serra Talhada desistiu de participar por dificuldades financeiras.

Um empate em Carpina já estava de bom tamanho para o "Tatu-Bola"...

"A gente sabia que teria muita dificuldade. É a equipe mais difícil do nosso grupo, e a gente teria que jogar muito bem para surpreender. Conversei com nosso treinador e ele falou que seria ainda mais difícil porque o time nem aqueceu da forma correta", disse Lisboa.

CEO da Universidade do Futebol cobra sensibilidade para desenvolver divisões de acesso 

O jeito foi entrar na retranca e apostar nos contra-ataques.

"O time foi aquecendo ao longo da partida. O técnico entrou com postura defensiva e deu certo, porque abrimos o placar em um belo contra-ataque", lembrou.

Cajá foi o responsável por colocar o Atlético-PE de maneira improvável aos 31 do primeiro tempo, fazendo a torcida explodir de alegria no Paulo Petribu. Mas os sorrisos duraram pouco, já que o Campinense em seguida se impôs e rapidamente virou para 3 a 1.

"Eles acabaram virando o jogo em 10 minutos. Mas não desanimamos", exalta Lisboa.

Na segunda etapa, o "Tatu-Bola" se agigantou. Aos três minutos, Cesinha diminuiu. Os paraibanos controlaram a partida até os 39 minutos, quando Wellington empatou.

E se a igualdade já era praticamente uma vitória para o Atlético, a maior surpresa ainda estava para acontecer. Aos 49 minutos, já no apagar das luzes, Cajá deu grande bola para Wellington, que não desperdiçou e escreveu história em Carpina: 4 a 3.

Marcelinho Paraíba, que vai jogar a Série D pela Portuguesa, deixou recado para a torcida

"Foi um grande jogo. No começo, a gente ficou preocupado só em evitar o W.O., mas depois tudo isso que passamos acabou sendo bom, pois motivou todo mundo. E depois de uma vitória dessas a gente fica mais motivado ainda para a sequência", comemorou.

A próxima partida do Atlético é contra o Fluminense-BA, dia 31, às 20h30, fora de casa.

Por via das dúvidas, é bom fazer uma revisão no ônibus antes do jogo...