Estudiantes bate o Barcelona-EQU fora de casa, mas mesmo assim não se classifica na Libertadores

ESPN.com.br com agência Gazeta Press
Rodrigo Buendia/AFP/Getty Images
Presidente-atleta, Verón esteve em campo na vitória do Estudiantes
Presidente-atleta, Verón esteve em campo na vitória do Estudiantes

O Estudiantes aprontou para cima do Barcelona de Guayaquil na noite desta quinta-feira. Em pleno estádio Monumental, no Equador, a equipe argentina aplicou um sonoro 3 a 0 sobre o time anfitrião, que estacionou nos dez pontos no Grupo 1 da Libertadores.

O triunfo até chegou a dar esperança aos argentinos de chegar às oitavas de final do torneio, mas como o Botafogo derrotou o Atlético Nacional, da Colômbia, por 1 a 0, no final da noite desta quinta-feira, a equipe de La Plata foi eliminada precocemente.

Isso porque o Botafogo somou dez pontos, dividindo a primeira colocação da chave com o Barcelona (primeiro colocado pelo saldo de gols). Como tem seis faltando apenas uma rodada, o Estudiantes foi eliminado na terceira colocação (vai para Copa Sul-Americana).

  • Surpresa no Equador

Falando do jogo em Guayaquil, quem olha para o placar não imagina como transcorreu a parida. Empolgado e embalado, o Barcelona fez o que se imaginava diante de seu torcedor: amassou o Estudiantes em seu próprio campo de defesa e criou inúmeras chances.

O problema é que o goleiro Andújar estava em uma noite de muita inspiração e, com pelos menos três grandes defesas, manteve a igualdade no marcador. Quando não pôde fazer nada, Andújar contou com a trave para se safar.

E como o futebol é cruel, o Barcelona não escapou de uma fatalidade. No único contra-ataque que o Estudiantes conseguiu encaixar, aos 28 minutos, Cavallaro salvou Toledo, que mandou a bola na trave em lance inacreditável, e não desperdiçou a chance de estufar a rede.

Na segunda etapa, o panorama não mudou. De novo em um contra-ataque mortal, o Estudiantes fez 2 a 0 com Facundo Sánchez, que aproveitou cruzamento de muito longe para aparecer na segunda trave, em velocidade, e jogar um balde de água fria na torcida local.

Para fechar a conta, a essa altura com Verón em campo, os argentinos alcançaram o terceiro gol de novo com Facundo Sánchez, que aproveitou passe do ídolo, capitão e presidente Juan Sebastián Verón, em mais um contra-ataque.