Escolha de jornalistas faz astro perder milhões e deixa Lakers com mais chance de tê-lo

ESPN.com.br
Getty
Paul George, do Indiana Pacers
Paul George não poderá receber 'oferta irrecusável' dos Pacers

Não aparecer em um dos três times do All-NBA Team, a seleção dos melhores da temporada, fará com que Paul George perca, no mínimo, US$ 30 milhões (R$ 101,16 milhões) e poderá abrir as portas para que o ala deixe o Indiana Pacers.

Caso tivesse aparecido entre os 15 jogadores dos times escolhidos por jornalistas especializados dos Estados Unidos, Paul George poderia receber a DPE, (Designated Player Extension, ou Extensão de Jogador Designado, em português), uma novidade do acordo coletivo que começa a valer em 1º de julho. Isso permitiria que os Pacers oferecessem um contrato por cinco temporadas e, aproximadamente, US$ 210 milhões (R$ 708,14 milhões).

O valor seria cerca de US$ 75 milhões (R$ 252,91 milhões) maior do que qualquer outra equipe poderia oferecer caso ele optasse por ser agente livre em 2018. Agora, o máximo que o time de Indiana pode propor para seu astro é que ele aceite um contrato de US$ 177 milhões (R$ 596,86 milhões) por cinco temporadas, o que, na ponta do lápis, não faz tanta diferença caso ele receba uma proposta de outra equipe, que poderia oferecer US$ 130 milhões (R$ 438,37 milhões) por quatro anos.

Os Pacers ainda podem oferecer uma extensão de contrato antes da próxima temporada, mas sem tanto dinheiro em jogo, é improvável que o jogador aceite. Além disso, a franquia poderia esperar o fim de 2017-2018 e, caso Paul George aparecesse entre os melhores, oferecer a DPE, mas correriam o risco de não trocar o jogador e ficar sem nada no final da temporada.

Ninguém conseguiu parar LeBron James no jogo 1 das finais do Leste; veja

Diversos times fizeram propostas pelo ala em fevereiro, incluindo o Atlanta Hawks, que ofereceu duas escolhas de primeira rodada no Draft por ele. É bem possível que mais gente esteja interessado em contar com o jogador, que também já falou sobre um possível destino.

Paul George nasceu em Palmdale, no condado de Los Angeles, e fez faculdade em Fresno State. Ele já assumiu que passou a infância como fã de Kobe Bryant e revelou que pretende treinar com o ex-jogador antes do início da próxima temporada. O Los Angeles Lakers parece uma escolha óbvia para o futuro de George.

De costas, embaixo das pernas e mais; veja o top 10 de assistências das semis de conferência da NBA

E não é apenas o Indiana Pacers que pode ver um astro sair por não estar em um dos times do All-NBA. O também ala Gordon Hayward, do Utah Jazz, foi outro a ficar de fora da lista e não deve aceitar os US$ 16,7 milhões (R$ 56,31 milhões) da player option, o ano a mais de vínculo que depende da vontade do jogador para acontecer. Alguns times, como o Boston Celtics, já sinalizaram o interesse de contar com o jogador.

Enterradas são os destaques do top 5 do jogo entre Celtics e Cavaliers
  • Como funciona a DPE

A DPE surgiu após a saída de Kevin Durant do Oklahoma City Thunder na última janela de agentes livres. O mecanismo permite que os times ofereçam um ano a mais de contrato e um salário inicial mais alto (de até 35% do total do cap da equipe) do que o padrão de extensões contratuais previa.

Existem algumas regras para que os jogadores possam receber tal proposta. Dentre alguns critérios baseados na performance do jogador, ele precisa aparecer nas equipes All-NBA na temporada que precede sua extensão, ou em duas das três temporadas anteriores. Um atleta eleito MVP ou Jogador Defensivo do Ano também está habilitado a receber a DPE, por mais que seja improvável um atleta ganhar tal prêmio e não fazer parte de um dos três times.

Além disso, o jogador em questão teria que estar em seu oitavo ou nono ano na NBA, o que seria o empecilho para Hayward, que tem apenas sete anos de experiência.