Corinthians não paga telhas para o Parque São Jorge, e empresa vai à Justiça por calote de R$ 17 mil

Diego Garcia, do ESPN.com.br
Divulgação
Parque São Jorge recebeu telhas que não foram pagas
Parque São Jorge recebeu telhas que não foram pagas

A empresa Ferronor Comércio de Ferro e Aço Ltda foi à Justiça contra o Corinthians por calote de R$ R$ 17.847,78 na aquisição de telhas e equipamentos de aço fornecidos para o Parque São Jorge.

A Ferronor disse à Justiça que é credora do clube por duas faturas emitidas em janeiro e fevereiro de 2017 por materiais vendidos e entregues no Parque São Jorge, segundo endereço que consta nos documentos vistos pela reportagem,

A empresa disse que tentou entrar em acordo com o Corinthians, em vão, o que motivou o ingresso no Poder Judiciário.

O ESPN.com.br entrou em contato com a firma, que confirmou as informações.

"Foi um material que vendemos para eles. Compraram com a gente em dezembro e janeiro, materiais de ferro e aço, incluindo telhas. Não pagaram e procuramos a Justiça", disse o departamento jurídico da Ferronor.

A ação entrou nesta terça na 29ª Vara Cível do Poder Judiciário de São Paulo e está em análise pela juíza Valéria Longobardi.

A empresa pede que o tribunal determine o pagamento da dívida em até três dias, sob pena de penhora em cima dos bens corintianos.

O time do Parque São Jorge ainda não foi citado oficialmente e, por isso, desconhece o processo.

Médico do Corinthians explica gravidade da lesão de Pablo

A ação é a quinta sofrida pelo Corinthians por calote no período de cerca de um mês.

Primeiro, foi uma cobrança de R$ 1,2 milhão do SEV Hortolândia por Petros. Depois, entre 2 e 3 de maio, foi a vez do Coritiba pedir R$ 900 mil por Kazim, da Penapolense exigir R$ 1,7 milhão por Marlone e de novo o SEV Hortolância cobrar R$ 300 mil, agora por Vilson.

No caso dessas últimas três acusações, a Justiça concedeu ao clube três dias para efetuar os pagamentos, sob pena de penhora.