WTA critica Roland Garros por não convidar Sharapova após doping

ESPN.com.br
Getty
Maria Sharapova ficou sem convite para disputar Roland Garros
Maria Sharapova ficou sem convite para disputar Roland Garros

A decisão dos organizadores de Roland Garros de não dar um convite a Maria Sharapova não agradou a WTA. Steve Simon, presidente da entidade máxima do tênis feminino, afirmou que a Federação Francesa "não tinha base para penalizar" a russa desta forma.

Sharapova, de 30 anos, não tinha ranking para conseguir ganhar uma vaga direta no Grand Slam, já que retorna de 15 meses afastada por doping. A ex-número 1 do mundo precisava, então, de um convite para entrar tanto na chave principal, quanto no qualifying.

"Não concordo com a base da decisão deles. Ela cumpriu a punição", disse Simon, através de comunico. "Não há base para penalizar qualquer jogador além da punição definida na decisão final sobre seus respectivos casos", completou o presidente da WTA.

Na última segunda-feira, o presidente da Federação Francesa de Tênis, Bernard Giudicelli Ferrandini disse que "poderiam haver convites para retornos de lesão, mas não para o retorno de doping".

"Sinto muito por Maria, muito mesmo por seus fãs. Eles devem estar bem desapontados, ela deve estar muito desapontada, mas é minha responsabilidade, minha missão, proteger os altos padrões do esporte jogado sem dúvida sobre o resultado", justificou o organizador.

Pouco depois de ficar sem convite para Roland Garros, que começa no dia 28 de maio, Sharapova abandonou sua partida na segunda rodada do Premier de Roma contra Mirjana Lucic-Baroni. A russa precisava chegar, ao menos, à semifinal para se garantir na chave principal de Wimbledon.