Coluna do bczz: Como a Luminosity Gaming cresceu no cenário norte-americano

Otávio "bczz" Boccuzzi, em colaboração para a ESPN
Reprodução/Facebook
Luminosity chegou aos Estados Unidos no primeiro semestre de 2016 e tem se consolidado cada vez mais
Luminosity chegou aos Estados Unidos no primeiro semestre de 2016 e tem se consolidado cada vez mais

Consolidada como a terceira melhor equipe brasileira no cenário internacional, a Luminosity Gaming ainda apresenta desafios e barreiras a serem quebradas no cenário norte-americano de Counter-Strike: Global Offensive. Devido sua ascensão nos últimos meses, resolvi explicar um pouco a história por trás disso.

A equipe composta por Gustavo "yeL" Knittel, Vinicios "PKL" Coelho, Lucas "destiny" Bullo,Gustavo "SHOOWTIME" Gonçalves, Bruno "shz" Martinelli e Felippe "felippe1" Gonçalves ainda trilha os passos para classificação em grandes torneios, participando de vários qualificatórios e buscando seu lugar entre os melhores da região, assim como fizeram SK Gaming e Immortals no passado.

Já inserida na ESL Pro League Season 5 (EPL S5) e na Esports Championship Series Season 3 (ECS S3), duas principais ligas da região, a equipe brasileira já apresenta bons resultados contra equipes norte-americanas do segundo escalão como: CLG, Complexity, Misfits e Rush. Mesmo assim, ainda falta consistência de jogo para os brasileiros pois os mesmos possuem dificuldades crônicas contra equipes tier 1 (Cloud9, Liquid, Immortals e SK Gaming).

A ida desses jogadores pros EUA, porém, foi conturbada. Em maio de 2016, a primeira formação dessa line teve a oportunidade de ir morar nos Estados Unidos pela organização WinOut. Na época foi gerada uma grande polêmica sobre o time pois a primeira versão dessa line foi uma mistura da ex-g3x (PKL e yeL) e ex-Keyd Stars (Bruno "bit" Lima, Renato "nak" Nakano, destiny e Alessandro "APOKA" Marcucci), algo considerado injusto por muitos na ocasião.

A primeira apresentação dessa line-up foi jogando o "Americas Minor Championship - Cologne 2016", torneio classificatório no qual foram convidados às pressas com pouquíssimo tempo de time. A vaga foi herdada da Big Gods, que teve problemas de visto.

Com pouco tempo de treino, os brasileiros da WinOut mostraram potencial no classificatório, principalmente na melhor de três contra a Selfless Gaming, porém não conseguiram ir longe no torneio. Após esse campeonato foram inscritos nas ligas norte-americanas e começaram a jogar internacionalmente.

Com dificuldades de adaptação nos primeiros meses, os brasileiros sofreram com algumas regras dos campeonatos, principalmente na ESEA. Por pegarem a vaga da organização WinOut eles foram impossibilitados de jogarem com a line-up brasileira completa e, por isso, recorreram ao Michael "agM" Aboode e Doug "jacoBson" Jacobson para completarem na ESEA Main.

Após alguns meses treinando, competindo e fazendo streams, a formação antiga da WinOut teve uma grande oportunidade, jogar pela Luminosity Gaming no começo de agosto.

Com melhores salários e menor obrigação de streams, a line-up da LG começou a ter mais oportunidades no cenário norte-americano, algo que incomodou alguns times estrangeiros, que viam a ascensão de mais um time brasileiro em seu território. Já no meio de agosto a Luminosity conseguiu disputar uma vaga de acesso rápido a ESL Pro League, a "NA Wild Card", essa era uma grande oportunidade para os Brasileiros que acabaram perdendo para o Echo Fox por 2 mapas a 0.

Após a derrota no Wild Card, a Luminosity jogou por mais algumas semanas nas ligas online, porém ficou clara a estagnação do time. Os resultados já não vinham da mesma forma e as não classificações tornaram o ambiente interno conflitante, até que, em setembro, foi anunciada a entrada de SHOOWTIME e shz na lineup, substituindo bit e nak.

Desde então o time foi amadurecendo nas ligas online, jogando a ESEA Premier Season 23 e a ECS Season 2, além de alguns novos qualificatórios. Dois tópicos interessantes do final de 2016 foram a permanência na ECS e também a ESWC 2016, no qual não contaram com a presença do yeL por motivos de saúde. David "Xp3" Garrido completou na ocasião e eles foram eliminados na fase de grupos.

No começo de 2017, os brasileiros fizeram uma última mudança em sua formação, substituíram APOKA na função de técnico pelo felippe1. Apesar de terem perdido um grande líder off-game, eles ganharam um ótimo analista tático e experiente ex-jogador. Na mesma época da mudança, eles também conseguiram a classificação para a Pro League, ganhando da Selfless na partida da EPL S4 Relegation.

Desde então o passado se torna praticamente presente. Com os bons resultados nas duas principais ligas norte-americanas e também com a melhora na qualidade de treinos, o time mostra uma evolução, sendo até notado pelos analistas internacionais como o novo terror de equipes norte-americanas.

Agora nos resta esperar para sabermos o real limite dessa line-up jovem. O grande teste para a equipe será entre os dias 28 e 30 de abril na DreamHack Austin 2017, campeonato com US$100.000,00 de premiação e com participação de importantes equipes do cenário internacional como HellRaisers, Gambit Gaming, Heroic, G2, Cloud9, Immortals e Team Liquid.

Otávio "bczz" Boccuzzi é analista, comentarista freelancer e criador de conteúdo para ESPN, Games Academy e Esporte Interativo. Trabalhou nas principais iniciativas de CS:GO no Brasil e tem como objetivo difundir o esports no país. A "Coluna do bczz" é publicada quinzenalmente na ESPN Games. Siga bczz no Twitter e Facebook.