Em meio a tensões, partida histórica entre as duas Coreias cria raro momento de paz na região

AFP
Getty
As duas seleções perfiladas para execução dos hinos
As duas seleções perfiladas para execução dos hinos

O time de futebol feminino da Coreia do Sul foi até a cidade de Pyongyang, na última sexta, para disputar a primeira partida da história entre as duas rivais políticas em uma cidade da Coreia do Norte.

Mais de 40 mil torcedores lotaram o estádio Kim Il-Sung para assistir o empate por 1 a 1. Quando tocados os hinos, a música do Sul foi ouvida em completo silêncio enquanto a do Norte, cantada a plenos pulmões. Os espectadores vibravam com qualquer toque na bola das jogadoras da casa e gritavam usando megafones.

A única partida entre os dois países na cidade de Pyongyang aconteceu em 1990, entre as equipes masculinas de futebol, e foi um jogo em favor da unificação dos dois países, com a torcida levantando bandeiras que mostravam toda a península coreana ao invés dos símbolos de seu país.

Copa 'inflada'? Fifa quer 48 seleções na Copa de 2026; entenda

A partida acontece após o lançamento de um míssil norte-coreano na última semana, descumprindo resoluções da ONU, e enquanto Donald Trump, presidente dos Estados Unidos, se encontra com Xi Jinping, secretário-geral do governo chinês: as tensões políticas não poderiam estar mais fortes.

Tecnicamente, as duas coreias estão em guerra já que o conflito de 1950-53 acabou devido ao armistício e não com um acordo de paz, e recentemente as relações entre as duas nações tem se desgastado.

Para que o jogo acontecesse, o governo da Coreia do Sul exigiu garantias de segurança para suas atletas. A partida, válida pelo grupo B das eliminatórias para a Copa Asiática, ofereceu um raro momento de relaxamento entre as nações.

Getty
A torcida, com bandeiras da Coreia do Norte e com megafones dourados, lotou o estádio
A torcida, com bandeiras da Coreia do Norte e com megafones dourados, lotou o estádio

O esporte "tem atenuado os ânimos em tempos de tensões cada vez maiores" disse Michael Spavor, diretor do Paektu Culture Exchange (entidade que busca o intercâmbio cultural na região), celebrando que a partida aconteceu sem nenhum problema.

Getty
A seleção norte-coreana perdeu um pênalti, ainda no início da partida, que custou a vitória à equipe
A seleção norte-coreana perdeu um pênalti, ainda no início da partida, que custou a vitória à equipe

No campo, a 10ª colocada do ranking da Fifa, a Coreia do Norte, saiu na frente contra a rival 17ª colocada, mas um empate aos 31 minutos do segundo tempo calou a torcida da casa.

Se conseguirem se classificar para a Copa Asiática, na Jordânia, e se vencerem, as jogadoras norte-coreanas provavelmente serão imortalizadas em museus, assim como as atletas que venceram o torneio em 2015 e que hoje tem em sua homenagem um grande quadro na Galeria Nacional de Arte de Pyongyang. Antes da partida, o guia da museu contava a história desta última conquista, mas ressaltava: "É uma pena que tenhamos que jogar em times separados por nosso países não estarem unificados."