Sem cadeiras, setor que Flamengo já vendeu ingressos para jogo da Libertadores é fechado no Maracanã

Gabriela Moreira, blogueira do ESPN.com.br

Às vésperas de uma série de jogos no Maracanã, todo o setor leste superior do estádio foi fechado pelo Corpo de Bombeiros. Faltam cadeiras no local e o Grupamento de Prevenção viu riscos à segurança dos torcedores, decretando o fechamento da área na tarde desta terça-feira. A interdição já vale para o jogo do Fluminense contra o Liverpool (Uru) desta noite, pela Sul-Americana, mas não afetará quem já comprou ingressos, pois o clube, ciente de que a interdição ocorreria, não vendeu assentos para o local.

 

Já para o jogo do Flamengo na próxima quarta, contra o Atlético-PR, pela Libertadores, o rubro-negro tem um problema pela frente. Ingressos já foram vendidos para o local. O clube diz que vai pagar a instalação das novas cadeiras para receber o problema de forma emergencial. 

Parte do local já estava sem cadeiras na última partida realizada no estádio (Fla x San Lorenzo). Mesmo assim, a área estava liberada para venda. A experiência, no entanto, mostrou aos Bombeiros a necessidade de fechar todo o setor, uma vez que não há como impedir que o público ocupe os espaços onde onde não há cadeiras, assistindo à partida de pé e alterando a quantidade de pessoas permitidas no local, além dos planos de fuga, em caso de necessidade.

Marcelo D'Sants
Cadeiras das arquibancadas agora como entulho no Maracanã
Cadeiras das arquibancadas agora como entulho no Maracanã após Olimpíada

Antes do jogo do Flamengo pela Libertadores, ainda terá o clássico Vasco e Flamengo, válido pela semifinal do Carioca, no fim de semana. 

A Odebrecht informa que a falta de cadeiras no local é uma pendência deixada pelo Rio 2016. O Rio 2016 diz que de acordo com o mapa de cadeiras recebido da Odebrecht ao assumirem o estádio para os Jogos, o déficit já existia desde a Copa do Mundo. Afirma que a concessionária já vinha "remanejando cadeiras antes" de o comitê assumir o Maracanã. Nega que existam pendências sobre este ponto e afirma que o público da Olimpíada não daniicou as cadeiras.