Por que o seu clube pode faturar muito mais com receita de TV

Marcus Alves, do ESPN.com.br
Lucas Figueiredo/CBF
Os acordos televisivos ainda contam com itens desprezados pelos clubes
Os acordos televisivos ainda contam com itens desprezados pelos clubes

Dona dos direitos de transmissão, a Rede Globo investe mais de R$ 1,5 bilhão na Série A do Brasileiro.

A maior parte dessa cifra ainda está concentrada na TV aberta. A briga entre a Globo e a sua concorrente Esporte Interativo alavancou os valores na fechada e o próximo horizonte será o pay-per-view, que gera crítica de parte dos cartolas por causa dos critérios estabelecidos para o seu rateio e também da fatia que fica com a emissora carioca: 62% contra apenas 38% dos clubes.

Outros itens passam praticamente despercebidos nos contratos televisivos.

Em iniciativa ainda sem precedente no futebol brasileiro, o clássico Atletiba transmitido no Youtube chamou a atenção no começo do mês para a comercialização dos direitos de transmissão também na internet.

O percentual pago pela Globo na plataforma não corresponde nem a 5% do total arrecadado pelos times nos acordos.

A mesma situação se repete com a negociação do campeonato no exterior e também na telefonia móvel.

O ESPN.com.br teve acesso a tabela que destrincha cada item do contrato (veja abaixo).

Reprodução
A receita de TV esmiuçada entre seus diversos itens
A receita de TV do Coritiba esmiuçada entre seus diversos itens

O exemplo, no caso, mostra os números do Coritiba em 2015. As cifras mudaram a partir da entrada em vigência de novo acordo com duração entre 2016 e 2018, porém, somente serão apresentados em seu portal de transparência após envio a seus conselheiros para votação de prestação de contas.

Em linhas gerais, o total saltou de R$ 35 milhões para mais de R$ 50 milhões.

De qualquer forma, eles ilustram a divisão dos valores.

Uma das maiores reclamações dos clubes gira ao redor da penetração reduzida da Série A no exterior. Diversas medidas foram tomadas, caso da mudança do nome do campeonato fora do país de Brasileirão para Brazilian League por causa da dificuldade na pronúncia da primeira.

Divisão de cotas na Inglaterra dá mais dinheiro a rebaixado do que campeão no Brasil; veja a diferen

Ainda assim, o Coxa recebeu apenas R$ 816 mil com a sua venda em 2015.

Uma comissão de clubes foi montada neste ano para mudar esse panorama. Flamengo, Santos, Atlético-PR e Palmeiras fazem parte dela.

Petraglia explica transmissão do Atletiba via internet e cita luta contra divisão de cotas injusta

A briga entre Globo e Esporte Interativo também estimulou outras novidades, como a possibilidade de parte dos clubes usarem o replay de seus lances na internet e também de negociarem por conta própria a venda das placas de publicidade estáticas. Elas entrarão em vigor a partir de 2019.

Com um movimento cada vez maior de recuo na TV aberta, deve demorar um pouco para que esses produtos despertem a atenção dos clubes após comprometerem a maior deles até 2024.