Fukushima vai receber competições dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de 2020

ESPN.com.br com agência EFE
Getty
Fukushima, afetada por tsunami, terremoto e acidente nuclear, sediará competições em 2020
Fukushima, afetada por tsunami, terremoto e acidente nuclear, sediará competições em 2020

A província de Fukushima, no Japão, vai sediar as competições de beisebol e softbol dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Tóquio 2020, segundo divulgação feita nesta sexta-feira pelo comitê organizador.

A decisão, aprovada pelo Comitê Olímpico Internacional (COI) após uma reunião de seu comitê executivo, tem como objetivo ajudar na recuperação da região de Tohoku, devastada em 2011 pelo grave terremoto e tsunami do leste do Japão.

"Sediando as competições de beisebol e softbol dos Jogos Olímpicos, Fukushima terá uma grande plataforma para mostrar ao mundo o tamanho de sua recuperação, dez anos depois do desastre", afirmou Yoshiro Mori, presidente do Comitê Organizador de Tóquio 2020, em comunicado. "Será também uma oportunidade maravilhosa mostrarmos nossa gratidão com aqueles que ajudaram na reconstrução da região."

O terremoto de 9 graus na escala Ritcher e o posterior tsunami, ocorridos no dia 11 de março de 2011, devastaram a costa do nordeste do Japão e deixaram mais de 18 mil mortos e desaparecidos. A catástrofe também provocou na usina nuclear de Fukushima o pior acidente atômico desde Chernobyl, em 1986.

O estádio Fukushima Azuma, que será reformado antes de 2020, vai acompanhar a sede de Yokohama, como principal local de competições de beisebol e softbol, que retornarão aos Jogos Olímpicos depois da edição de 2008, em Pequim.

No Dia Internacional da Mulher, relembre a saga de Aída, única brasileira na Olimpíada de Tóquio

Dentro desta estratégia de recuperação das áreas mais pelo terremoto, o COI já aprovou a realização das rodadas preliminares da competição de futebol na província de Miyagi, que também sofreu as consequências do terremoto de 2011.

Além de receber partidas destes esportes, o governo do Japão já propôs que o percurso da tocha olímpica incluem as áreas mais afetadas. Com a confirmação do estádio Fukushima Azuma, o número de sedes em Tóquio 2020 sobe para 40.