Demitido após ser ameaçado pela torcida em aeroporto, técnico rebate Ceará e nega saída em comum acordo

ESPN.com.br
Veja ameaça de torcedores ao técnico do Ceará: 'Peça para sair antes que piore para o seu lado'

Demitido na última quinta-feira pelo Ceará, horas depois de ter sido ameaçado por torcedores no aeroporto devido à eliminação da equipe alvinegra na Copa do Brasil, o técnico Gilmar Dal Pozzo negou que a saída tenha acontecido "em comum acordo", como publicou o time de Fortaleza, em seu site oficial.

"Não houve comum acordo para minha saída como divulgado e por isso gostaria desse esclarecimento. Fui procurado pelo gerente de futebol Marcelo Segurado e comunicado que estava fora do projeto junto da minha comissão técnica", disse o treinador, em comunicado.

"Reitero a convicção de que o grupo foi montado de acordo com os objetivos propostos quando de minha contratação para ser campeão estadual e estava no caminho certo, liderando o Campeonato Cearense com 76,2% de aproveitamento, classificado antecipadamente para as quartas de final, com trabalho intenso. Além disso, a outra meta era o acesso para a Série A", completou.

O Ceará foi eliminado da Copa do Brasil na quarta-feira com derrota por 1 a 0 para o Boavista. No desembarque, Dal Pozzo foi cercado por um grupo de cerca de 10 torcedores alvinegros e acabou ameaçado por um membro da organizada "Cearamor".

"Vá embora, é a melhor coisa que você faz. Peça para sair, antes que piore para o seu lado. Peça para sair antes que piore para o seu lado, já está avisado", disse o torcedor, em vídeo que foi gravado por um dos presentes e divulgados nas redes sociais.

Dal Pozzo, que se destacou na Chapecoense, entre 2012 e 2014, estava no Ceará desde o fim de 2016. Apesar da eliminação na Copa do Brasil, o time lidera o Estadual após sete jogos, com 16 pontos - cinco vitórias, um empate e apenas uma derrota (no clássico contra o Fortaleza).

O departamento de futebol do Ceará anunciou que "já trabalha para anunciar em breve o nome do novo treinador".

O Paysandu, clube de Dal Pozzo em parte de 2016, se manifestou em apoio ao técnico após as ameaças. "Em pleno 2017, acreditamos que esse tipo de comportamento contra técnicos, atletas ou qualquer profissional é inadmissível e jamais irá combinar com o futebol. O esporte é sinônimo de alegria e repudiamos qualquer tipo de violência."

Leia o comunicado de Gilmar Dal Pozzo:

Ontem fiz uma nota de repúdio e deixei claro meu intuito de permanecer dirigindo o Ceará Sporting Club, pois até então ninguém havia conversado comigo. Não houve comum acordo para minha saída como divulgado e por isso gostaria desse esclarecimento. Fui procurado pelo Gerente de Futebol Marcelo Segurado e comunicado que estava fora do projeto junto da minha comissão técnica. Reitero a convicção de que o grupo foi montado de acordo com os objetivos propostos quando de minha contratação para ser campeão estadual e estava no caminho certo, liderando o Campeonato Cearense com 76,2% de aproveitamento, classificado antecipadamente para as quartas de final, com trabalho intenso. Além disso, a outra meta era o acesso para a Série A. Quero agradecer as mensagens solidárias recebidas por conta dos episódios lamentáveis em que fui envolvido. Amigos pessoais, diversos colegas de profissão, jogadores, torcedores de diversos times, até mesmo Clubes, como o Paysandu e a Chapecoense, funcionários do próprio Ceará, muitos jornalistas também. A estes peço a compreensão de não os ter atendido para entrevistas, porque o aspecto emocional foi bastante forte. Quando envolve agressão, preocupação da família e falta de humanidade, o sentimento fica aflorado. A partir da semana que vem estou à disposição.