Rússia detona documentário sobre violência de torcidas na Copa do Mundo de 2018

AFP
Getty Images
Torcedores russos e ingleses brigaram nos estádios e ruas da França, na Euro 2016
Torcedores russos e ingleses brigaram nos estádios e ruas da França, na Euro 2016

Um documentário da BBC sobre violência de torcidas na Copa do Mundo parece ter irritado o governo da Rússia, cujos torcedores foram alvos de críticas nas telas. Nesta sexta-feira, oficiais do país detonaram a produção, alegando que o vídeo foi feito para boicotar o evento.

"Precisamos analisar isso com absoluta sobriedade - é uma campanha com o objetivo de nos descreditar", disse o Primeiro Ministro, Vitaly Mutko, à agência de notícias TASS. "A Rússia entregou garantias de segurança, que foram confirmadas pelo Estado e serão cumpridas", completou Mutko, que é também o chefe do comitê organizador da Copa do Mundo.

Vladimir Markin, chefe da União de Futebol da Rússia (RFU), foi mais além e garantiu que o conteúdo do documentário é totalmente falso. "Isso se trata absolutamente de propaganda. Foi produzido com o objetivo de impedir os torcedores ingleses de virem ao Mundial, não há nenhuma outra razão", afirmou ao R-Sport.

Na quinta-feira, a BBC exibiu o documentário "Russia's Hooligan Army" (Exército Hooligan da Rússia), que alerta para um possível "festival de violência" protagonizado por torcedores russos na Copa do Mundo de 2018, mirando principalmente fãs da Inglaterra. "Para alguns será um festival de futebol, para outros será um festival de violência", disse um dos hooligans à BBC.

O canal britânico entrevistou membros do "Orel Butchers", um grupo de torcedores radicais do Lokomotiv Moscou, acusado de violência nas ruas de Marselha durante a Eurocopa de 2016. Um dos líderes do grupo, inclusive, espera uma rebelião contra as autoridades do país. "Eles vão derrubar os líderes, todas as pessoas responsáveis pela organização do evento", disse.

Presidente da Fifa não se preocupa com violência na Copa 2018

Apesar das regras e punições contra os hooligans, um dos membros do grupo contou que é certo que torcedores russos pretendem, de fato, organizar atos de violência contra os ingleses. "Nossos caras são mais perigosos que as forças especiais", celebram os torcedores no documentário.

Por outro lado, o presidente da Fifa, Gianni Infantino, afirmou na quinta-feira que não está preocupado com a violência e que confia plenamente na capacidade da Rússia de sediar o evento.