Ex-diretor do Corinthians chama Ceni de calouro e prevê fracasso: 'Vai ser divertido'

Gazeta Press
Treinos competitivos e 'castigo': Eduardo Affonso acompanha a pré-temporada do São Paulo na Flórida

O ex-diretor de marketing do Corinthians, Luis Paulo Rosenberg, voltou a aparecer após cerca de três anos afastado do futebol. Após se licenciar do cargo durante a gestão de Mário Gobbi, ele passou um longo período sem dar declarações polêmicas, mas agora lidera um movimento que quer "ajudar" Roberto de Andrade na presidência do Corinthians, ao lado de Andrés Sanchez. Quase que oferecendo um cartão de visitas, ele voltou a aparecer "cutucando" o rival São Paulo e seu novo técnico, Rogério Ceni.

"Quando a gente vê que eles estão tentando transformar um goleiro calouro em técnico, com dois gringos, achando que vai salvar tudo, vai ser muito divertido. Vai ser uma forma de a gente consolar as mágoas", comentou Rosenberg à rádio Bradesco Esportes, mostrando claro incômodo com o time do Morumbi e praticamente ignorando o sucesso recente do Palmeiras.

"Para o Corinthians é muito melhor que o Palmeiras esteja assim, porque o gosto que a nossa torcida tem de encontrar um adversário como eles é grande. Mas a gente curte o naufrágio do São Paulo, que era o exemplo. Para nós é motivo de grande alegria. A soberba do torcedor deles em relação aos maloqueiros é algo que machuca muito a gente", opinou.

Tido como um dos mentores do novo Corinthians, que antes da gestão de Andrés não tinha nem Centro de Treinamento nem um estádio com grande capacidade para mandar seus jogos, Rosenberg ainda explicou os motivos de não acreditar em um sucesso de Ceni como treinador.

Ceni cobra muito, mas incentiva bastante também: Edu Affonso traz as novidades do São Paulo

"Milagre existe. Mas se alguém me disser que você passa de goleiro a técnico de time de primeira linha sem treinar um pouco na Ferroviária, eu vou ficar muito surpreso", concluiu o ex-dirigente, que teve passagem em 2015 pela Portuguesa, mas não conseguiu reerguer o clube do Canindé.